Publicidade

Estado de Minas

Polícia canadense lança aplicativo anti-sexting


postado em 04/08/2014 09:46

OTTAWA - A unidade de crimes sexuais do Canadá apresentou, nesta sexta-feira, um aplicativo para que menores recusem pedidos de envio de fotos com nus na internet, em meio ao que consideram uma "epidemia" de sexting.

A Polícia Provincial de Ontário disponibilizará o aplicativo gratuito "Send This Instead" (Envie isto no lugar, em tradução literal), que fornece 57 respostas sarcásticas e humorísticas a pedidos de sexting, assim como um link para denunciar à polícia casos de assédio sexual.

O sexting consiste em compartilhar mensagens e imagens sexuais por SMS e celular, entre outros.

"Desculpe, estou ocupado... Posso te dispensar daqui a pouco?" ou "Não, mas continue fazendo selfies. A polícia vai adorar que você faça seu próprio retrato policial" são algumas das respostas.

O aplicativo se destina a adolescentes canadenses, mas estará disponível em todo o mundo, quando for oficialmente lançado na Conferência sobre Crimes contra Crianças em Dallas, Estados Unidos, que será celebrada entre 11 e 14 de agosto.

"Quando você se sentir pressionado a mandar imagens a alguém na internet, manda isso no lugar", diz a descrição do aplicativo nas lojas online da Apple e do Google.

O inspetor Scott Naylor, diretor da unidade de crimes sexuais OPP, disse à AFP que a polícia foi "bombardeada com queixas sobre sexting" nos últimos dois anos.

O sexting com menores de 18 anos é ilegal no Canadá e é considerado pornografia infantil.

Mas a polícia duvida se deve apresentar acusações contra adolescentes que cometerem este crime.

Naylor diz que as estratégias de recomendar um simples "não" como resposta não têm impacto entre os adolescentes e é preciso aplicar novos métodos.

A OPP contratou uma equipe de artistas gráficos, comediantes e outros profissionais para desenvolver o aplicativo.

"Obtivemos algumas reações muito divertidas", diz Naylor. Mas ele advertiu que isto "não vai resolver o sexting". "Estamos apenas dando às crianças uma estratégia alternativa para lidar com isso".

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade