Publicidade

Estado de Minas

Livros e filmes clássicos adiantaram novidades conhecidas hoje. Confira nossa seleção


postado em 09/01/2014 10:45 / atualizado em 09/01/2014 11:02

Sonhar com um mundo onde viver daqui a alguns anos ou décadas é trabalhar com um oceano de possibilidades. Dessa forma, escritores, cineastas e mesmo cidadãos comuns tiveram várias ideias – algumas que se concretizaram, outras que, por ora, não – ao longo dos séculos. Vão desde futuros otimistas até os mais catastróficos, quase sempre com a tentativa de provocar uma reflexão, como no clássico 2001: uma odisseia no espaço, de Stanley Kubrick, que trata da evolução humana (e suas ferramentas) de modo filosófico. Abaixo, você confere outras obras importantes do gênero, que permanece como fonte inesgotável de criação.

FILMES


De volta para o futuro (1985–1990)

(foto: UNIVERSAL PICTURES/DIVULGAÇÃO)
(foto: UNIVERSAL PICTURES/DIVULGAÇÃO)

Diretor: Robert Zemeckis
A trilogia começa quando, após acionar acidentalmente uma máquina do tempo, o adolescente Marty McFly volta aos anos 1950 e encontra os pais antes de se conhecerem. Para o desespero do garoto, a futura mãe se apaixona por ele, o que pode impedir o encontro dos progenitores e o nascimento do viajante no tempo. Em De volta para o futuro 2, que se passa em 2015, grandes monitores de tela plana, câmeras digitais e até videoconferência estão entre as previsões do diretor que acabaram se concretizando.

La Jetée (1962)

(foto: Aurora/Divulgação)
(foto: Aurora/Divulgação)

Diretor: Chris Marker
Com a superfície do planeta devastada pela radioatividade após a última guerra, a humanidade passou a viver embaixo da terra, sem lembranças da vida na superfície. Ainda em fase de testes, a viagem no tempo seria a única esperança para a sobrevivência dessa sociedade, e ninguém melhor como cobaia do que um prisioneiro que guarda uma única memória de uma infância feliz pré-guerra. O aclamado filme francês serve até hoje de referência para outras obras, como a adaptação hollywoodiana Os 12 macacos e a série de jogos Fallout.

Metrópolis (1927)

(foto: Reprodução da Internet)
(foto: Reprodução da Internet)

Diretor: Fritz Lang
Pioneiro da ficção científica no cinema, o filme mudo Metrópolis se passa em 2026, numa época em que os operários vivem e trabalham embaixo da terra, e os ricos moram na superfície do planeta, em cidades futuristas cheias de arranha-céus e carros voadores. Quando um cientista cria um robô com a imagem de uma mulher, a invenção começa a causar discórdia entre as classes. Da vanguarda do expressionismo alemão, o filme é considerado até hoje uma obra-prima com fortes questões sociais e políticas.


LIVROS
(foto: Reprodução da Internet)
(foto: Reprodução da Internet)
Admirável Mundo Novo (1932)
Autor: Aldous Huxley
Em um futuro distópico, as pessoas são condicionadas biologicamente a exercer determinadas funções na sociedade, dividida em castas, transformando a humanidade em um grande formigueiro. A propaganda é a principal arma dessa forma de escravidão, que não permite que os cidadãos questionem o sistema. Até que um homem começa a chamar atenção, quando resolve contestar o que está sendo imposto.

(foto: Reprodução da Internet)
(foto: Reprodução da Internet)
O Guia do Mochileiro das Galáxias (1979–1992)

Autor: Douglas Adams
Ford Prefect conta ao amigo Arthur Dent que na verdade não é um ator, mas um mochileiro alienígena, que a Terra vai ser demolida por uma falha burocrática. Para fugir disso, eles precisam pegar carona em uma nave espacial. Os fãs dessa cultuada série comemoram até hoje o Dia da Toalha (25 de maio), porque, segundo os livros, o objeto serve para inúmeros fins, como se proteger numa tempestade de areia ou até mesmo se enxugar. Com diversas adaptações para rádio, televisão e cinema, entrou para a cultura pop com elementos como o número 42 (“a resposta para a vida, o universo e tudo o mais”). O próprio Guia do mochileiro, uma espécie de livro eletrônico com quase todo o conhecimento necessário, nada mais é do que um protótipo da Wikipédia.

(foto: Reprodução da Internet)
(foto: Reprodução da Internet)
Neuromancer (1985)

Autor: William Gibson
Ao tentar roubar dados dos patrões, Henry Case, um ex-caubói, como são conhecidos os hackers na obra, foi envenenado e, agora, não consegue mais se conectar à Matrix – não é coincidência, o livro serviu de inspiração para a trilogia de filmes Matrix. Dando origem ao gênero cyberpunk, a obra passeia por estações espaciais e realidade virtual em um mundo controlado por inteligências artificiais.


Publicidade