Publicidade

Estado de Minas

Homem sobrevive a 70 paradas cardíacas

Caso de Francisco das Xagas será publicado em revista científica europeia


postado em 14/08/2012 06:00 / atualizado em 14/08/2012 06:40

(foto: BETO NOVAES/EM/D.A PRESS)
(foto: BETO NOVAES/EM/D.A PRESS)
O corpo está em forma, a cabeça tranquila e o coração bate forte no ritmo da vida. Mas quem vê o eletricista aposentado Francisco das Xagas Silva, de 66 anos, em casa ou na academia, correndo na esteira e levantando pessoas, custa a crer – e custa mesmo – que ele sobreviveu a 70 paradas cardíacas num espaço de apenas 12 horas e ficou sem sequelas. Morador do Bairro Floramar, na Região Norte de Belo Horizonte, Francisco abandonou de vez o cigarro – chegou a fumar dois maços diários por quatro décadas –, adotou uma dieta saudável e ganhou dos amigos o apelido de Highlander, o guerreiro escocês do cinema que atravessa os séculos e continua imortal. “É um milagre de Deus”, acredita piamente a filha única Ninotchka Lessa, de 32, mãe de Rafael, de 3.

A história do homem nascido em Salinas, no Norte de Minas, ocorreu em 2008 e só agora vem à tona com a tese de doutorado defendida na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) pela enfermeira Daniela Aparecida Morais. Desde 2005, ela se dedica aos casos relacionados às paradas cardíacas, em especial de pacientes em alta hospitalar, e terá, até o fim do ano, a pesquisa publicada numa revista europeia, além de apresentação em congressos de cardiologia e terapia intensiva. “Ele ressuscitou 70 vezes, faz ginástica e tem o estado mental normal. Geralmente, nesses casos, o comum é evoluir para óbito ou ficar com sequelas”, explica Daniela. Foram 1.165 pacientes – 239 encaminhados a hospitais e a história de Francisco surpreendeu a professora e pesquisadora.

Foi em 31 de dezembro, por volta das 14h, que o eletricista começou a passar mal. Ele diz que essa parte ficou apagada da sua memória e se lembra apenas de estar “num barco, quase se afogando”. Foram 21 dias de internação no Hospital das Clínicas, 15 deles no Centro de Terapia Intensiva (CTI).

Trajetória

No dia a dia, Francisco gosta de fazer palavras cruzadas e sudoku, malha cinco dias na semana e gosta de ficar em casa. Na cozinha, aprecia os doces, mas, diabético, tem que manter distância. A trajetória hospitalar de Francisco tem uma série de sofrimentos. Adolescente, com 17 anos, teve uma úlcera supurada e nove anos depois, contraiu tuberculose. Em 1999, padeceu com uma trombose na perna, fez cirurgia para revascularizar a área, mas teve que amputar o dedo médio do pé esquerdo. No local, apareceu uma ferida que não cicatrizava, então os médicos sugeriram nova amputação. Francisco recusou, a família assumiu o risco e o levou para casa. "Ficamos sete meses fazendo curativo, até cicatrizar a ferida", lembra Ninotchka. Em 2004, Silva fez uma cirurgia para retirar três tumores (benignos) na próstata e contraiu uma infecção generalizada.

No Hospital das Clínicas, depois de transferido do Risoleta Neves, Francisco recebeu uma ponte de safena e três stents (“mola” para abrir artérias). Na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), sofreu embolia pulmonar, insuficiência respiratória e infecção generalizada. Hoje, feliz da vida, Francisco está certo de que, se gato tem sete vidas, ele tem 10 vezes mais, e está no lucro.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade