Publicidade

Estado de Minas

Projeto pioneiro da Unesp acrescenta 11 verbetes à Wikipedia

Ação se reflete em mais credibilidade de conteúdo. Colaborar é se manter neutro


postado em 23/02/2012 11:26 / atualizado em 24/02/2012 11:49

A professora Maria José Jorente montou um projeto com 60 alunos para melhorar verbetes da Wikipedia
A professora Maria José Jorente montou um projeto com 60 alunos para melhorar verbetes da Wikipedia
Não foi fácil. Mas, ao longo de 2011, a professora de ciência da informação da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) Maria José Vicentini Jorente e seus alunos tiveram motivos de sobra para comemorar. Implementaram, de forma pioneira no Brasil, o Wikipedia Education Program. Um dos maiores objetivos da iniciativa, presente no mundo todo, é fazer com que os estudantes escrevam e editem artigos para a enciclopédia ao longo do curso, e que sejam avaliados por isso. Depois da iniciativa da Unesp, a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) aderiu ao programa no Brasil.

“Existia uma crença mundial de que faltava credibilidade a essa enciclopédia virtual. A Wikimedia trouxe a Wikipedia para as academias”, explica a professora. “O nosso desejo era melhorar o português, inteirar os jovens sobre a história da cultura e fazer com que escrevessem sobre isso na plataforma digital por meio de uma escrita científica simplificada”, completa.

Em 2009, Maria José e o aluno Jaider Andrade Ferreira tomaram conhecimento do programa. No ano seguinte, montaram um projeto. Em 2011, os 60 alunos do segundo ano do curso de arquivologia e biblioteconomia do câmpus de Marília (SP) se desdobraram para acrescentar e melhorar 27 verbetes ao sistema. Desse total, 11 já foram concluídos.

Para isso, os estudantes foram divididos em 10 grupos de seis e monitorados por Jaider, que se prontificou a ocupar o papel de embaixador do projeto. “Ele tem uma função importante, mas não precisa ser aluno, pode ser um funcionário ou um aposentado. O essencial é reunir algumas qualidades, como saber informática, ter bom conhecimento de língua portuguesa, carisma e liderança”, explica o universitário.

Jaider ficou encarregado de criar as páginas de teste e ensinar os alunos a escrever na Wikipedia. “Para ocupar esse cargo, é preciso ter organização. Achei complicado ensinar a edição para muitos alunos de uma vez só. É necessário planejar muito bem antes de ensinar e dar bastante atenção à questão dos direitos autorais”, continua. “O que me motivou foi a possibilidade de aumentar conhecimento e de retribuir o que já aprendi com essa enciclopédia. Amo esse portal. O que mais gosto é a utilidade pública, a relevância que ele tem para a sociedade.”

Mas colocar em prática as ideias do Wikipedia Education Program não foi tão fácil. A tecnofobia dos jovens, a dificuldade em usar as ferramentas do sistema, a quantidade de pessoas envolvidas e as lacunas no português dos estudantes foram alguns dos obstáculos enfrentados pela professora e por Jaider.

 “No Brasil, existe uma tecnofobia muito inerente à cultura. As pessoas têm medo de não conseguir escrever ali. Isso é preconcebido e, realmente, não é uma linguagem fácil”, avalia Maria José. O esforço enfrentado pelos internautas para manusear as ferramentas da Wikipedia foi citado pelo fundador Jimmy Wales, em um vídeo divulgado na internet, como um dos motivos para a queda no número de colaboradores on-line.

Outro problema apontado pela professora foi o fato de muitos jovens não verem muito objetivo em colaborar. Para ela, ainda é necessário introduzir a cultura do compartilhamento no país. “Nos Estados Unidos, as pessoas são voluntárias desde pequenas, e aqui as pessoas não veem sentido em colaborar para algo de graça”, comenta.

Para Jaider, a falta de tempo foi um dos percalços. As palestras e os cinco encontros de três horas de duração entre ele e os 60 alunos foram insuficientes para realizar o projeto em sua plenitude. Mas admite: “Foi um trabalho gratificante. Espero que outras universidades deem continuidade”. (CPC)

Carlos Potiara, cientista político, começou a escrever artigos para a Wikipedia há três anos:
Carlos Potiara, cientista político, começou a escrever artigos para a Wikipedia há três anos: "Colaborar é uma forma de atingir um público interessado em temas diversos"
Manutenção criteriosa

Desde a criação dos tipos móveis de Gutemberg, no século 15, e da publicação das primeiras enciclopédias, nos séculos 18 e 19, a forma de transmitir e de apreender conhecimento evoluiu. Os grandes volumes nas estantes deram lugar a megabytes no computador. O leitor também adquiriu um novo papel: colaborar e acrescentar informações on-line.

O pesquisador do grupo de ciência, tecnologia e educação na contemporaneidade da Faculdade de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB), Marcello Barra, conta que essa evolução trouxe alguns benefícios e mudou a dinâmica na sala de aula. “Antes, ter acesso a enciclopédias representava um custo muito elevado. Ir a uma biblioteca também requeria muito tempo. Agora, tudo é rápido e fácil”, conta. “O professor também tem que se atualizar mais, não pode falar qualquer bobagem. Precisa ter salário que lhe permita acessar todos esses dados, senão, não vai conseguir ensinar”, completa.

Há cerca de três anos, Carlos Potiara, cientista político e doutor em ciências sociais, escreve artigos para a Wikipedia. “Há muita informação, pelo menos em português, que não é aprofundada e trata de temas importantes. Para mim, colaborar é uma forma de atingir um público interessado em temas diversos”, diz. “É preciso ter uma visão mais crítica de mundo”, emenda. O doutor explica: existe uma disparidade muito grande na qualidade da informação on-line e, por isso, alguns dados servem apenas como ponto de partida para uma busca maior.

E, embora a gigante tenha ganhado fama como a enciclopédia que qualquer um pode editar, esse processo não é feito de qualquer maneira. Os observadores mundo afora ficam de olho e reeditam o material. Escrever requer vários cuidados. “É bom buscar informações em vários meios, pegar dados em livros, artigos, filmes, programas de rádio, usar essas fontes, tentar cruzar as informações e encontrar um meio-termo. Se ficar dependendo da própria internet, existe o perigo da repetição”, aconselha.

A principal guardiã do saber on-line se livra, aos poucos, do fantasma da falta de credibilidade dos artigos. Jimmy Wales, cofundador da Wikipedia, garante que a taxa de erros é equivalente à das enciclopédias tradicionais. No entanto, Potiara não indica usá-la como fonte primordial, já que o que foi escrito ali foi principalmente baseado em outros trabalhos.

Diversidade de fontes  
Não é apenas à Wikipedia que o internauta pode recorrer para tirar dúvidas ou aprofundar conhecimentos gratuitamente. A Citizendium, por exemplo, foi criada em 2006 por Larry Sanger, o outro cofundador da Wikipedia, em 2001. Uma das diferenças para a enciclopédia on-line pioneira é que, no projeto inicial da Citizendium, todos os colaboradores seriam claramente identificados com nomes reais e teriam especialistas que supervisionariam o trabalho.

Desde então, a biblioteca virtual – que vive por meio de doações – registrou mais de 16 mil artigos. Apenas 1% foi realmente aprovado de primeira por especialistas e não precisou passar por melhoramentos. Outra diferença para a gigante é que os artigos ainda são feitos apenas em inglês. Além disso, desde outubro de 2010, a Citizendium conta com uma estrutura bem definida, que inclui órgãos como o conselho editorial e figuras como a do ombudsman.

No Brasil, uma das enciclopédias mais antigas, a enciclopédia Barsa Universal, lançada pela primeira vez em 1964, está disponível na versão digital. Ao comprar os volumes, o cliente adquire o DVD-ROM e, todo dia 1º do mês, atualizações e novos dados estatísticos estão disponíveis. A empresa também conta com o portal Barsa Saber (www.barsasaber.com), cujo intuito é complementar a enciclopédia com conteúdos renovados semanalmente. (CPC)

Verbetes turbinados
Saiba os termos cujas definições foram concluídas pelos alunos da Universidade Estadual de São Paulo

Compartilhamento de arquivos
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Compartilhamento_de_arquivos

Comunicação ciberespacial
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Comunicação_ciberespacial

Comunicação de massa
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Comunicação_de_massa

Cultura popular
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Cultura_popular

Cultura visual
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Cultura_visual

Design de informação
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Design_de_informação

História cultural
http://pt.wikipedia.org/wiki/
História_cultural

Imperialismo cultural
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Imperialismo_cultural

Pré-requisitos
Três conceitos básicos a serem seguidos por quem escreve artigos na Wikipedia

>> Verificabilidade

Os artigos na Wikipedia devem conter apenas material que possa verificar se foram publicados em fontes confiáveis.

>> Imparcialidade

Os artigos na Wikipédia devem ser escritos de forma imparcial, representando todos os pontos de vista significativos proporcionalmente.

>> Nada de pesquisa inédita

Wikipedistas não têm direito de publicar seus próprios trabalhos com ideias inéditas. O conteúdo de um artigo deve corresponder ao das fontes citadas. Além disso, não é permitido publicar análises pessoais, extrapolando o que é claramente afirmado nas fontes.

Fonte: Jaider Andrade Ferreira, que foi embaixador do Wikipedia Education Program na Unesp

Três perguntas para... Daniel Meitchen, Editor da enciclopédia virtual citizendium
Como uma oferta tão vasta de informações muda a vida das pessoas?
Enciclopédias on-line melhoram as condições de tomar decisões ao oferecer diversos dados de forma rápida e ao permitir o acesso guiado a fontes de informação confiáveis e fidedignas. Para os colaboradores, as mudanças são ainda mais variadas, já que aprendem essa forma de interação humana e como se comunicar melhor com um público muito vasto, em vez de um nicho específico de especialistas.

O que garante a credibilidade das informações da Citizendium?
Não há garantia de credibilidade de nenhuma informação a não ser, talvez, daquela das fontes primárias (artigos científicos, livros etc.). A vantagem de acesso livre e on-line a esse tipo de recurso é que qualquer um pode verificar a informação publicada e – nos casos de ambientes colaborativos, como a Citizendium – também é possível corrigir e atualizar os dados se necessário. Isso pode ser feito tanto por especialistas quanto pelo olho do público comum ou por uma combinação das duas coisas, como estamos tentando fazer. Um dos grandes efeitos no clima da Citizendium é o fato de os colaboradores serem identificados por seus nomes reais. Isso coloca um amortecedor na edição sem limites por colaboradores anônimos e no uso de pseudônimos para dar a aparência de um apoio popular a uma opinião que só é defendida por poucos.

Como a Citizendium sobrevive?
Atualmente, é totalmente financiada por doações. Propagandas são proibidas. Ela sobrevive porque alguns contribuidores (“Citizens”) que se identificaram com os princípios do projeto acreditam que ele seja importante e que ele possa ser bem-sucedido. Também há quem ajude de outras formas e também seja bem-vindo. No longo prazo, para sobreviver e atender seus objetivos ambiciosos, a Citizendium precisará de mais contribuidores competentes e base financeira segura.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade