Publicidade

Estado de Minas EM Tóquio

Com força máxima para lutar pelo bi


21/07/2021 04:00 - atualizado 20/07/2021 21:33


O técnico André Jardine, enfim, teve todos os atletas à disposição em campo. E na contagem regressiva para a estreia em busca do bicampeonato, amanhã, diante da Alemanha, a Seleção Brasileira masculina de futebol treinou com o elenco completo no Hodogaya Park, em Yokohama, algo que ocorreu pela primeira vez desde o período final de preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio'2020.

O grupo foi reforçado pelo atacante Malcom, que se apresentou na segunda-feira, e o goleiro Brenno, que havia sido impedido de entrar com a delegação na semana passada após testar positivo para COVID-19. Os resultados dos dois exames posteriores deram negativo e o goleiro foi liberado.

Na atividade, Jardine esboçou a escalação que deve enfrentar a Alemanha. A imprensa pôde acompanhar somente 20 minutos da atividade. A tendência é de que o Brasil seja escalado com Santos; Daniel Alves, Diego Carlos, Nino e Guilherme Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães e Claudinho; Richarlison, Matheus Cunha e Antony.

A equipe integra o Grupo D da competição e, além dos alemães, enfrenta na primeira fase a Costa do Marfim (reforçada por jogadores que atuam em grandes clubes europeus), às 5h30 de domingo, e a Arábia Saudita, na próxima quarta-feira, às 5h. Dessa chave sairão dois classificados para as quartas de final.

Com o multicampeão Daniel Alves liderando um elenco talentoso e com alguma experiência na elite do futebol europeu, o Brasil defenderá o ouro olímpico, conquistado nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

Jardine não terá jogadores importantes, cuja liberação foi vetada por seus clubes, casos dos atacantes Neymar, do PSG, Rodrygo, do Real Madrid, e Pedro, do Flamengo. Porém, se fez valer do regulamento para contar com três nomes com mais de 24 anos: além de Daniel Alves, o mais experiente do grupo, aos 38 anos, foram chamados o goleiro Santos, do Athletico (31), e o zagueiro Diego Carlos (28), do Sevilla.

MESCLA 


A experiência terá a companhia de uma geração promissora, marcada por jogadores que já atuam na Europa, como os atacantes Éverton Cebolinha, Richarlison, Gabriel Martinelli, do Arsenal, e os meias Reinier, do Borussia Dortmund, e Douglas Luiz, do Aston Villa.

"É uma grande estreia para nós. Um clássico mundial, a final dos últimos Jogos Olímpicos, em um estádio onde guardamos ótimas lembranças de uma decisão de Copa do Mundo que o Brasil conquistou", disse Jardine depois do sorteio que definiu os rivais da Seleção, referindo-se também à final do Mundial em 2002, quando Ronaldo fez os gols da vitória por 2 a 0 sobre a Alemanha, sacramentando o pentacampeonato.


*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade