Publicidade

Estado de Minas SÉRIE B

Cruzeiro busca reforços com mais experiência

Clube negocia com atacantes pedidos pelo técnico Luiz Felipe Scolari. Para isso, deve se desfazer de jogadores que não estão sendo aproveitados


11/11/2020 16:02 - atualizado 11/11/2020 16:23

Rafael Sóbis é aguardado hoje na Toca da Raposa II e pode voltar a vestir a camisa celeste a pedido do técnico Luiz Felipe Scolari(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Rafael Sóbis é aguardado hoje na Toca da Raposa II e pode voltar a vestir a camisa celeste a pedido do técnico Luiz Felipe Scolari (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Diretoria e comissão técnica do Cruzeiro trabalham em conjunto para deixar o grupo mais forte para sequência da Série B do Campeonato Brasileiro. O clube está próximo de anunciar dois atacantes e, com isso, deverá se desfazer de alguns jogadores do meio para frente. O regulamento permite que, até 7 de dezembro, o clube substitua até oito de 40 jogadores inscritos na competição. Hoje, há 36 atletas listados no site oficial, alguns deles se dividindo com as categorias de base, como o goleiro Vinícius, o zagueiro Paulo, o armador Marco Antônio e os atacantes Thiago e Stênio.
Justamente pela juventude de muitos atletas, o técnico Luiz Felipe Scolari pediu a contratação de atletas mais experientes. Primeiro chegou William Pottker. O próximo deverá ser um velho conhecido da torcida, o também atacante Rafael Sóbis, que está com o Ceará em São Paulo para enfrentar o Palmeiras, hoje, no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil, e que é aguardado amanhã na Toca da Raposa II, como revelou o treinador depois do empate por 3 a 3 com o Guarani, segunda-feira, no Mineirão.

Ele tem contrato apenas até dezembro e ainda não renovou. Nesta temporada, o jogador de 35 anos disputou 40 jogos e marcou oito gols – média de 0,2 gol por partida. Desde 2017, ele faz mais de 38 partidas por temporada. E teria aceitado as condições propostas pelo Cruzeiro, até para trabalhar com Scolari. Nem mesmo uma demanda do jogador na Justiça parece capaz de atrapalhar o acerto.

Por outro lado, o segundo alvo celeste, o também atacante Copete, tem situação bem mais complicada. Além de estar nos planos do técnico do Santos, Cuca, ele depende de autorização do Conselho Deliberativo para ser cedido a qualquer clube, por se tratar de período eleitoral no Peixe, como determina o Estatuto santista.

A favor da equipe celeste está o fato de o Peixe estar impedido de inscrever jogadores em função de punição da Fifa por dívidas com o Huachipato, do Peru, e o Atletico Nacional, da Colômbia. Assim, se não houver perspectiva de pagamento em curto prazo, o melhor seria mesmo ceder o atleta, que treina há um mês no CT Rei Pelé, poupando em salários – os clubes da Série A tem até o dia 20 para trocar oito atletas da lista inicial.

“O Cuca conta com o Copete, mas depende dessa questão da Fifa. A previsão era chegar em um acordo com o Huachipato o mais rápido possível, mas atualmente não sei como está.  Esperamos que logo se resolva”, afirma Renato Florêncio, ex-volante e atual diretor de futebol do clube paulista, sem confirmar o contato celeste.

Nos bastidores, já se fala abertamente na liberação. Isso pode ser definido na reunião do Conselho Deliberativo que será realizada amanhã. Copete atuou pela última vez com a camisa do Santos em junho de 2019. Depois disso, foi emprestado ao Pachuca, do México, onde ficou até o fim de janeiro. Foi então para o chileno Everton, onde atuou apenas duas vezes, a última em março.


Saídas

Por outro lado, o armador Marquinhos Gabriel, de 30 anos, e o atacante Zé Eduardo, de 21, não devem continuar. O primeiro por não ter agradado quando teve chances. O segundo, pelo fato de os representantes desejarem colocá-lo em uma equipe em que tenha mais chances de atuar.

“Desse jeito (sem oportunidade de jogar) não tem como continuar (no Cruzeiro). Vamos conversar para levá-lo (ao América-RN)”, disse Eduardo Simplício de Andrade, pai do jogador. “O desejo dele é jogar no Cruzeiro, onde tem contrato até 2024. Mas, infelizmente, sem jogar não tem condições.”

Zé Eduardo jogou por pouco mais de 15 minutos no Cruzeiro, entrando contra o Oeste, na Arena Barueri, pela 15ª rodada da Série B. Na ocasião, o técnico Ney Franco foi demitido após o empate por 0 a 0 com o lanterna da competição, em 11 de outubro.

Antes, o jovem de 21 anos havia marcado nove gols em 10 jogos na temporada: quatro pelo Villa Nova (cinco jogos no Campeonato Mineiro) e cinco pelo América-RN (cinco jogos no Potiguar, Copa do Brasil e Série D). Seu regresso a Belo Horizonte ocorreu em 22 de setembro.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade