Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Raposa e Galo começam a se preparar para os desafios


postado em 24/06/2019 04:06

Mano Menezes e Rodrigo Santana vão se encontrar em 11 de julho(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 6/6/19)
Mano Menezes e Rodrigo Santana vão se encontrar em 11 de julho (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 6/6/19)


Após aproveitar um período de descanso durante a primeira parte da Copa América, Atlético e Cruzeiro começam a partir de hoje a viver semanas de preparação para os clássicos entre as duas equipes nos dias 11 e 17 de julho, pelas quartas de final da Copa do Brasil, que prometem agitar a capital mineira. A reapresentação dos jogadores está marcada para esta tarde, quando iniciam a intertemporada de treinos físicos e táticos na Cidade do Galo e na Toca da Raposa II.

Além do clássico, alvinegros e celestes terão um mês de julho com compromissos difíceis pelo Campeonato Brasileiro e pelas competições internacionais. Sem vencer há nove jogos e vivendo turbulência extracampo, a Raposa terá de reagir para passar pelo River Plate nas oitavas de final da Copa Libertadores, com partidas previstas para os dias 23 e 30. O Galo também precisa mostrar regularidade nos confrontos com o Botafogo, adversário histórico em mata-matas, pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana, com confrontos em 24 e 31 do próximo mês.

Cada treinador usará o tempo para treinamentos a fim de trabalhar problemas específicos de suas equipes. No Atlético, Rodrigo Santana vai conhecer melhor os novos reforços estrangeiros, o lateral-esquerdo uruguaio Lucas Hernández, o volante paraguaio Ramón Martínez e o armador Otero (que retorna de empréstimo do futebol árabe). O desafio do treinador é encaixá-los aos poucos na equipe que terminou a primeira parte do Brasileiro na quinta posição.
Outra tarefa de Rodrigo é criar novas variações de jogo diferentes da habitual formação 4-1-4-1 para serem usadas nas diferentes competições. Nos compromissos antes da Copa América, o que se viu foi um time com dificuldade em se reinventar quando suas estratégias foram assimiladas pelos adversários. Rodrigo atuará também na recuperação do atacante Ricardo Oliveira, que não marca desde o fim de abril e perdeu a posição de titular para o jovem Alerrandro no último jogo – empate com o São Paulo por 1 a 1, pelo Nacional.

Ainda sem ser efetivado no cargo pela diretoria – ele ocupa de forma interina o lugar de Levir Culpi desde 11 de abril –, o treinador enumera os aspectos que a equipe pode evoluir nos treinos: “Temos que montar uma intertemporada pensando em todo o restante do ano e não somente nos jogos decisivos que temos pela frente. E não podemos errar. A ideia é fazer um a dois jogos-treinos. Queremos colocar os jogadores em campo para fazer avaliações. A gente vinha de crescimento de trás para a frente. Nossa forma de marcar já evoluiu. Precisamos corrigir nossa bola parada defensiva e a qualidade na hora de sair jogando até chegar ao último terço do ataque”.

PROBLEMAS MÉDICOS Envolvido em denúncias de corrupção e lavagem de dinheiro que atingem a cúpula da diretoria, o Cruzeiro tenta usar bem os treinos para sair da má fase e não colocar em risco o futuro no segundo semestre. A última vitória celeste ocorreu diante do Goiás por 2 a 1, em 5 de maio. Além de corrigir as falhas do sistema defensivo, que prejudicaram a equipe por várias vezes nos últimos jogos, Mano Menezes espera o aval dos médicos e do departamento de preparação física para contar com dois atletas que chegaram no início do ano e são tidos como fundamentais no grupo: o armador Rodriguinho e o atacante Pedro Rocha.

Rodriguinho chegou ao Cruzeiro no fim de janeiro e iniciou a temporada em alta – funcionando muitas vezes como segundo atacante e se aproveitando dos espaços abertos por Fred para entrar na grande área e finalizar –, sendo decisivo para o clube celeste na primeira fase da Copa Libertadores. No entanto, o jogador terminou a primeira parte do ano com desempenho em baixa.

Além da má fase que a Raposa enfrenta na temporada, Rodriguinho, em particular, sofreu com dores lombares em algumas ocasiões. “O Rodriguinho vive nova realidade. Querendo ou não, ele veio de um campeonato em que estava jogando pouco, com as características bem distintas da nossa, e exatamente por isso algumas lesões do passado vieram visitá-lo novamente para incomodar, mas está sendo feito um trabalho individualizado nele, exatamente nessa parada”, declarou o médico Sérgio Campolina ao site oficial do Cruzeiro

Já Pedro Rocha iniciou sua trajetória pelo Cruzeiro em abril, sofreu com alguns problemas musculares antes da pausa para a Copa América e caiu de rendimento. Outro que está em recuperação é o lateral-direito Orejuela, que passou por cirurgia no joelho esquerdo e não tem data para voltar a jogar.


Publicidade