Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Cruzeiro é um dos favoritos. Galo deve figurar na zona intermediária

Que o futebol brasileiro saia vencedor, com grandes jogos, dribles, toques e gols geniais. O futebol só tem sentido se for assim


postado em 27/04/2019 05:12


Vai começar o Brasileirão 2019 com as equipes mineiras estreando hoje. No Independência, o Atlético, que vive grave crise, enfrenta o Avaí diante de uma torcida frustrada e magoada pelos insucessos do começo de temporada. No Maracanã, às 21h, tem Flamengo e Cruzeiro, dois grandes favoritos ao título, que deverão brigar rodada a rodada pelas primeiras colocações. São 38 jogos, em ida e volta, sendo campeão aquele que somar mais pontos. Exceto pelo Cruzeiro, primeiro campeão desse novo formato, em 2003, e também em 2013 e 2014, as equipes vencedoras sempre foram do Rio e São Paulo, sendo o Flamengo uma vez, em 2009, e o Fluminense duas, em 2010 e 2012. Depois disso, só deu time paulista. Além de Flamengo e Cruzeiro, Grêmio, Inter e Palmeiras são os outros candidatos a levantar a taça. O Corinthians pode correr por fora. As demais equipes, inclusive o Galo, devem figurar do meio da tabela para baixo. A não ser que haja contratações importantes, coisa que não acredito, pois, além da falta de dinheiro, não há jogadores de bom nível disponíveis. Quando o Brasileirão começava, dizíamos que tínhamos 12 equipes em condições de levar o caneco. Com a realidade do futebol atual, onde o nível técnico foi jogado na lama, só mesmo as equipes que citei acima são as favoritas.

O Cruzeiro voou baixo neste começo de temporada. Embora tenha enfrentado adversários de qualidade duvidosa, exceto nos clássicos com o Atlético, é uma equipe bem montada, com excelentes jogadores e peças de reposição no banco. Tem um técnico há mais de dois anos, Mano Menezes, que, se não joga bonito, pois essa não é uma característica dele, é eficiente. Sua equipe se defende bem, sabe o que fazer com a bola e o time tem padrão de jogo. Se vai ganhar os títulos que vai disputar, eu não posso garantir, mas é certo que o time azul vai em busca da Copa do Brasil, Brasileiro e Libertadores. A competição sul-americana é a joia da coroa, pois o tricampeonato, que esteve pertinho em 2009, escapou no Mineirão. Com 100% de aproveitamento, o Cruzeiro vai com tudo para ser o maior pontuador, chegar aos 18 pontos e levar a vantagem de decidir em casa até a fase semifinal, já que este ano, pela primeira vez, a taça será resolvida em jogo único, no Estádio Nacional, em Santiago do Chile, em novembro.

É bom estar atentos, pois já vimos muitas equipes favoritas caírem na fase mata-mata, mas, pelo que tem jogado e pelo grupo forte, não creio que seja esse o destino do Cruzeiro. Com o Mineirão lotado e a China Azul empurrando a equipe, o Cruzeiro deve ir atropelando seus concorrentes até chegar à decisão. Gostaria muito de ver grandes jogos, como aquele Cruzeiro 5 a 4 no Internacional, de Joãozinho, Nelinho, Falcão e companhia. Dessa forma, o futebol fica mais gostoso, emocionante e com qualidade. Passamos por uma grave crise de técnicos incompetentes e ultrapassados, jogadores de péssimo nível e a parte técnica comprometida. Porém, sempre existe a esperança de dias melhores. Eu gostaria de ver grande jogos, bola rolando pelo menos 80 minutos e muita qualidade. E espero, sinceramente, que o árbitro de vídeo só seja acionado quando houver necessidade plena. Esse negócio de os árbitros ficarem inseguros, consultando o VAR a cada disputa na área, vai transformar o campeonato num jogo de futebol americano ou de basquete. O esporte bretão não foi criado com esse fim.

O Atlético, com um time combalido, sem técnico e com jogadores em péssima fase ou enganando, precisa ter um norte. Esse mesmo grupo, como escrevi na quinta-feira, fez bela campanha em 2018, que o levou à Libertadores. É preciso olho no olho, comprometimento entre os atletas e, acima de tudo, bom futebol. O torcedor protestou até contra Victor, considerado intocável, que está em péssima fase. Um clube deve saber a hora de homenagear seus ídolos e preservá-los, evitando que caiam no ridículo. Não adianta renovar contratos para agradar ao atleta e desagradar ao torcedor. Com todos os problemas, não acredito que o Galo vá brigar para não cair, mas acho que ficará numa zona intermediária, como água de salsicha, que não serve para nada. Não é isso que o torcedor alvinegro merece. Ele quer reviver os grandes dias de glórias e taças. Tomara que um grupo de atleticanos notáveis ajude o clube a se reerguer. Neste momento difícil, união é a palavra de ordem. Bom campeonato, torcedores. Que o futebol brasileiro saia vencedor, com grandes jogos, dribles, toques e gols geniais. O futebol só tem sentido se for assim, com emoção e bola na rede. E aos maus torcedores, um aviso: lugar de bandido é na cadeia. Portanto, se não são do bem, fiquem longe dos estádios. Lá é lugar das famílias.


Publicidade