Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Doces e sobremesas

Tijolo

Receita fornecida por Maria Petronilha dos Santos, de Rubim: (33) 3746-1590


postado em 06/01/2017 10:10

Ingredientes:

- 12 litros de caldo de cana

- 2 cocos secos, ralados

- 1 prato fundo de mamão verde ralado e espremido em um pano

- Gengibre a gosto

Material

- Formas retangulares de madeira ou alumínio

Onde ficar:

- JEQUITINHONHA Hotel Bela Vista (33) 3741-1124

- Hotel Miranda (33) 3741-1261

- ALMENARA Pousada Sol Nascente (33) 3721-1820

- Almenara Hotel (33) 3721-1401

- Sesc (33) 3721-1047

- JACINTOPorto do Sol (33) 3723-1113

Modo de Preparo:

Em um tacho de cobre, ferver em fogo alto o caldo de cana. Com uma colher, retirar a espuma que ficar na superfície durante a fervura. Mexer até obter um melado. Acrescentar os demais ingredientes e mexer até que o doce comece a se soltar do fundo do tacho. Despejá-lo em formas do tamanho de um tijolo. Retirar assim que endurecer.



Estranho nome, doce fama

De Almenara, os viajantes dão um pulinho à vizinha cidade de Rubim, a 764 quilômetros de Belo Horizonte. De uma calma aparentemente inabalável, a cidade também abriga famílias que comercializam seus produtos no mercado municipal. Às sextas e sábados, encontra-se lá grande variedade de itens, entre eles um doce cuja fama se espalha pelo Vale. O tijolo, que leva o nome justamente pela aparência, é tradição na região, mas a receita é guardada por poucos.

Um deles é dona Maria Petronilha dos Santos. Ela prepara o doce de rapadura com mamão e coco na Fazenda Floresta, de onde vem a matéria-prima principal. Segundo ela, há quem faça o tijolo com açúcar, mas bom mesmo é usar o caldo de cana, da maneira tradicional, ensinada pelo pai, que cultivava cana. Por isso, a produção mais abundante coincide com a melhor época de colheita da cana. "É em maio que a gente tem mais", explica.

É exatamente quando o doce faz a alegria dos netos de dona Maria e de quem passa pela região, que não pode deixar de levar para casa um exemplar da açucarada tradição.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade