UAI
Publicidade

Estado de Minas MACHISMO

Falas machistas: quem é o procurador Anderson Santos investigado pelo MPF

Procurador fez comentários criticando o feminismo e falou sobre 'obrigação sexual' da mulher com homens


21/07/2022 14:16 - atualizado 21/07/2022 14:52

Sede do MPF de São Paulo
Após o fim das investigações, o procurador pode sofrer pena de advertência, suspensão ou até perda do cargo público (foto: MPF/Divulgação)

A Corregedoria do Ministério Público Federal (MPF) abriu investigação contra o procurador Anderson Gois Santos, pelo Ministério Público de São Paulo (MPF-SP). De acordo com a investigação, Anderson tecia comentários machistas, criticando o feminismo e ressaltando a “obrigação sexual” que a mulher deveria ter com seus companheiros. 


Os comentários eram feitos por meio de mensagens que circulavam no sistema interno do MPF, o que gerou revolta nos funcionários e funcionárias, que resolveram procurar a Corregedoria do órgão. Célia Regina Souza Delgado, corregedora-geral, investiga o caso antes mesmo da análise do conteúdo das mensagens.


As mensagens machistas do procurador


Em uma delas, ele escreve que o feminismo “é uma condição análoga ao transtorno mental” e diz que vão inventar uma CID - Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, número para justificar a falta no trabalho - para a condição. 


“A feminista normalmente é uma menina que teve problemas com os pais no processo de criação e carrega muita mágoa no coração. Normalmente, é uma adolescente no corpo de uma mulher. Desconhece uma literatura de qualidade e absorveu seus conhecimentos pela televisão e mais recentemente pela internet. Na maioria das vezes, a sua busca por empoderamento é na verdade uma tentativa de suprir profundos recalques e dissabores com o sexo masculino gerado pelas suas próprias escolhas de parceiros conjugais”, publicou Anderson Santos.


Leia também : Fala machista de ministro da CGU no Senado expõe histórico de agressões


Em outra mensagem, ele afirma que a mulher tem “obrigações conjugais” no casamento, o que foi visto pela corregedora-geral como incitação à violência contra a mulher. Para alguns integrantes do MPF, a tese defendida pelo procurador legitimaria o "estupro matrimonial". 


“É de fundamental importância recuperar a ideia do débito conjugal no casamento. O marido pague à sua mulher o que lhe deve, e da mesma maneira a mulher ao marido. O progressismo nos convenceu que o cônjuge não tem qualquer obrigação sexual para com o seu parceiro, levando muitos à traição desnecessária, consumo de pornografia e ao divórcio. Esse é um drama vivido muito mais pelos homens diante das feministas ou falsas conservadoras. A esposa que não cumpre o débito conjugal deve ter uma boa explicação sob pena de dissolução da união e perda de todos os benefícios patrimoniais.”


O que diz o procurador


De acordo com o depoimento de  Anderson, as mensagens foram enviadas para gerar debate sobre a monogamia e a criminalização do adultério entre os colegas. Ele alega que não teve a intenção de ofender ninguém.


Após o fim das investigações, o procurador pode sofrer pena de advertência, suspensão ou até perda do cargo público.

 

*Estagiária sob supervisão



 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade