UAI
Publicidade

Estado de Minas BLOG DO VICENTE

Análise: acuado, Bolsonaro sente o golpe da candidatura de Rodrigo Pacheco

''Bolsonaro escalou o ministro da Economia para atacar o senador, que é visto como conciliador a capaz de aglutinar forças de centro e de direita''


24/10/2021 20:53

foto mostra o presidente Jair Bolsonaro em cerimônia em Brasília
"Especialistas, inclusive, dizem que um candidato forte da terceira via pode tirar Bolsonaro do segundo turno das eleições" (foto: Evaristo Sá/EM/D.A Press)

O presidente Jair Bolsonaro deu mostras do quanto está preocupado com uma candidatura forte de terceira via, mais precisamente a do presidente do Senado,  Rodrigo Pacheco, que foi convocado pelo PSD para disputar a Presidência da República em 2022 .

Contudo, para não passar recibo de que sentiu o golpe, Bolsonaro escalou o ministro da Economia, Paulo Guedes, para atacar o senador, que é visto como conciliador a capaz de aglutinar forças de centro e de direita que hoje rejeitam o governo.

Especialistas, inclusive, dizem que um candidato forte da terceira via pode tirar Bolsonaro do segundo turno das eleições, sendo o adversário do ex-presidente Lula, do PT, que lidera, com folga, todas as intenções de votos até agora.

Guedes, no seu papel de office boy, disse, neste domingo (24/10), que Pacheco não pode fazer “militância” no Senado , agora que se sabe que ele estará na disputa pela Presidência da República. Para o ministro, o senador precisa ajudar o governo a aprovar reformas, como a administrativa, além do projeto de lei que altera o Imposto de Renda, medida com a qual o governo conta para custear o Auxílio Brasil.

Reformas e militância

A declaração de Guedes ocorreu ao lado de Bolsonaro na saída de uma feira de pássaros no Parque de Exposições da Granja do Torto, em Brasília. O ministro assumiu de vez que deixou o tecnicismo de lado e vestiu o uniforme da política.

“Nós esperamos que o presidente do Senado avance com as reformas. Se ele se lança presidente da República agora, se ele não avançar com as reformas, como é que ele vai defender a própria candidatura dele?”, questionou o ministro a Economia.

Para Guedes, Pacheco “precisa avançar com as reformas. Ele precisa nos ajudar a fazer as reformas. Ele não pode fazer militância, e eu tenho certeza de que não vai fazer. Nós conversamos na semana passada. Ele falou: “Olha, nós temos que acelerar o precatório, aprovação. Nós temos que avançar com as reformas. O presidente do Senado sabe que nós estamos no caminho certo”, alegou.

Na avaliação do ministro, “Se ele (Pacheco) quiser, inclusive, se viabilizar politicamente como uma alternativa séria, tem que ajudar o nosso governo a fazer as reformas, porque o presidente quer avançar. Nós queremos avançar, o presidente da Câmara, (Arthur) Lira, quer avançar. Então, estamos esperando o Senado também nos ajudar a avançar. Todo mundo quer ajudar o Brasil a dar certo”, destacou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade