UAI
Publicidade

Estado de Minas ELEIÇÕES DE 2014

Bolsonaro diz que Aécio Neves derrotou Dilma Rousseff em 2014

Presidente diz que apresentará provas de que houve fraude ao TSE, mas desafiou o ministro Luiz Roberto Barroso, a provar que as urnas eletrônicas são seguras


07/07/2021 16:58

(foto: Alan Santos/PR)
(foto: Alan Santos/PR)
O presidente Jair Bolsonaro afirmou, sem provas, nesta quarta-feira (07/07) que o então candidato à presidência, Aécio Neves (PSDB) derrotou a eleita Dilma Rousseff (PT). A declaração ocorreu durante entrevista à Rádio Guaíba.

“Eu vou mostrar para vocês como é que foram as eleições do 2º turno de 2014. Vocês vão ter uma surpresa no tocante a isso. O nosso levantamento aqui, feito por gente que entende do assunto e esteve presente lá dentro, acompanhou toda a votação, eles garantem que sim (Aécio foi eleito). E o que eu vi, eu não sou técnico de informática, mas o que eu vi é que está comprovado, no meu entender, a fraude em 2014. O Aécio foi eleito em 2014. Não vou entrar no mérito de quem é o melhor… Mas o que as urnas apontaram dado esse levantamento feito ao TSE deu Aécio Neves em 2014", apontou.
O mandatário então atrelou confiança do sistema eleitoral ao voto impresso. "O que nós queremos com esse voto auditável é evitar a desconfiança. O próprio Lula vem falando muita coisa, que vai fazer. Isso apavora muita gente aqui dentro."

Por fim, ele reafirmou que apresentará provas de que houve fraudes nas eleições de 2014 e 2018, mas desafiou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) para que prove primeiro que a urna eletrônica é segura.

"Daí, falam que eu não tenho como apresentar prova de fraude. Eu vou apresentar, mas eu desafio o Barroso antes. Me apresente uma prova de que não há fraude, que o voto eletrônico é seguro. Eu pergunto: o Brasil é um país que desponta no tocante a informatização? Não. Por que o Japão, por exemplo, não adota, o voto eletrônico igual a nós? Porque a Coreia não faz o mesmo, ou os EUA? Um dos raros países que adota esse sistema é o nosso. E as coisas tem que ser aperfeiçoadas", acrescentou.

O mandatário repetiu ainda que, caso o voto impresso não seja aprovado para o próximo ano, o país poderá "enfrentar problemas", e que algum lado pode não aceitar o resultado das urnas, referindo-se a uma possível derrota do governo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade