Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Deputado do PR: 'Não tomo cloroquina nem que Bolsonaro invada minha casa'

Apoiador do presidente, o parlamentar, que é secretário da Família e Justiça do Paraná, Ney Leprevost, perdeu o pai na última sexta-feira por COVID-19


12/04/2021 14:46 - atualizado 12/04/2021 15:15

Ney perdeu o pai na última sexta-feira (09/04), aos 68 anos, por complicações devido ao coronavírus(foto: Redes Sociais/Reprodução)
Ney perdeu o pai na última sexta-feira (09/04), aos 68 anos, por complicações devido ao coronavírus (foto: Redes Sociais/Reprodução)
Conhecido pelos seus pensamentos alinhados ao do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado federal e secretário da Família e Justiça do Paraná, Ney Leprevost, se mostrou arrependido por seguir uma das recomendações do presidente contra a COVID-19: o tratamento precoce. 

Ney perdeu o pai na última sexta-feira (09/04), aos 68 anos, por complicações devido ao vírus.

Além disso, o secretário, que também teve COVID, ficou 69 dias na UTI, e precisou retornar à unidade após sofrer de hepatite devido ao uso dos medicamentos ineficazes. 

“Já acreditei no tratamento precoce. Mas depois do que aconteceu com meu pai, não tomo cloroquina nem que o Bolsonaro invada minha casa e aponte o revólver para minha cabeça”, disse Ney em março. 

Medicações como cloroquina, ivermectina e nitazoxanida não possuem comprovação científica contra a COVID-19(foto: Redes Sociais/Reprodução)
Medicações como cloroquina, ivermectina e nitazoxanida não possuem comprovação científica contra a COVID-19 (foto: Redes Sociais/Reprodução)


Advogado e vice-presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Luiz Antônio Leprevost, pai do secretário, estava internado na UTI do Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, há cinco meses entre idas e vindas por causa de complicações da COVID-19.

Luiz Antônio era pai também do vereador curitibano Alexandre Leprevost (Solidariedade). Ele também deixou a mulher Jussara Leprevost, outros dois filhos e seis netos. 



“Canalhas”

No último sábado (10/04), o presidente voltou a defender o tratamento precoce contra a COVID-19 e chamou quem critica a medida de "canalha".  

"Tem muito médico que aplica o tratamento imediato, que é combatido por canalhas. Porque o canalha fala que não serve para nada, mas não aponta alternativa. Deixa o médico trabalhar. O médico tem liberdade para receitar o que ele achar que deve ser receitado com conhecimento e com concordância do paciente", disse.

Leia: Bolsonaro chama de canalha quem critica uso do 'tratamento precoce'

Bolsonaro aconselhou ainda a quem não tiver remédios opcionais para indicar contra a doença "calar a boca" e deixar o médico trabalhar com as receitas "off label".

A declaração do presidente ocorreu durante visita a uma família em São Sebastião, após ter sido questionado por uma das moradoras a respeito das ações do governo contra a pandemia.

O tratamento 

Medicações como cloroquina, ivermectina e nitazoxanida não possuem comprovação científica contra a COVID-19. A primeira, em março, teve o uso fortemente desaconselhado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade