Publicidade

Estado de Minas JOGO DE EMPURRA

Casa Civil teria recusado planejamento de ações contra COVID junto à Saúde

Ministro Braga Netto declarou que atuação quanto a imunização é competência da pasta de Pazuello e nega omissão


30/01/2021 15:36 - atualizado 30/01/2021 16:04

A pasta de Braga Netto enviou nota à Folha de São Paulo negando ter acontecido omissão ou recusa(foto: Fábio Rodrigues Pozzbom/Agência Brasil)
A pasta de Braga Netto enviou nota à Folha de São Paulo negando ter acontecido omissão ou recusa (foto: Fábio Rodrigues Pozzbom/Agência Brasil)
Casa Civil da Presidência teria se recusado a planejar ações de imunização contra as infecções por coronavírus no país, mapear os riscos existentes da produção, compra de vacinas e a auxiliar o Ministério da Saúde na confecção de um plano nesse sentido. A recusa teria acontecido em setembro, segundo matéria da Folha de São Paulo.

Segundo o jornal, apenas três meses depois uma proposta foi colocada em pauta pela pasta comandada por Eduardo Pazuello. A reportagem pontua ainda que o Tribunal de Contas da União (TCU) já havia determinado, em 12 de agosto, que o ministério de Walter Braga Netto elaborasse, no prazo de 15 dias, ações planejadas e indicações de riscos para a vacinação. Também consta que, em 60 dias, o Ministério da Saúde e as secretarias estaduais deveriam apresentar um planejamento quanto à questão.

À época, a Casa Civil justificou que tinha 'incompetência institucional' para adotar as três medidas e que a política de vacinação era exclusiva do Ministério da Saúde. A pasta de Braga Netto enviou nota à Folha de São Paulo, negando ter acontecido omissão ou recusa.

Na nota, declarou que estabeleceu "inúmeras ações interministeriais" para minimizar as consequências da pandemia e que destinou um grupo de trabalho de vacinação para coordenar os "esforços" da União.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade