Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

'Acabou. Não dá para admitir mais', diz Bolsonaro sobre operação da PF contra aliados

Presidente se exaltou ao abordar a operação da PF contra empresários, políticos e youtubers apoiadores


postado em 28/05/2020 11:13 / atualizado em 28/05/2020 11:59

(foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)
(foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se exaltou na manhã desta quinta-feira em um discurso em frente ao Palácio da Alvorada. Ao falar sobre a operação da Polícia Federal (PF) deflagrada nessa quarta-feira, que mira empresários, políticos e youtubers que o apoioam e foram alvo da ação por, segundo o STF, fazerem parte de um esquema de divulgação de fake news, o governante foi taxativo ao começar dizendo: “Acabou, porra”.

“Acabou. Não dá para admitir mais atitudes de certas pessoas individuais”, disse, em certo momento. “A liberdade de expressão é sagrada. Me coloco no lugar de todos aqueles que tiveram a sua propriedade privada invadida na madrugada. Me coloco no lugar deles, eu, minha esposa e duas filhas, tendo a Polícia Federal batendo na minha porta”.
 
Nessa quarta, os investigados negaram os crimes e atacaram o Supremo Tribunal Federal (STF). A operação da PF foi autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes. Bolsonaro classificou como o "último dia triste".
 
“Mais um dia triste na nossa história, mas o povo tenha certeza de que foi o último dia triste. Nós queremos a paz, harmonia, independência e respeito. Democracia acima de tudo. A liberdade de expressão é algo sagrado entre vocês (jornalistas) e também entre a mídia alternativa”, afirmou.
 
Entre os investigados, estão o empresário Luciano Hang, dono da rede varejista Havan, o deputado estadual de São Paulo, Douglas Garcia, e o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson. Bolsonaro considerou um desrespeito do Legislativo a autorização.

“Inventaram o nome gabinete do ódio. Alguns acreditaram e outros foram além: abriram processo no tocante a isso. Não pode um processo começar em cima de um factoide, em cima de uma fake news. Respeitamos os demais Poderes, mas não abrimos mão que nos respeitem também”, completou.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade