Publicidade

Estado de Minas

Amazônia dará o tom do discurso de Bolsonaro na ONU

Ainda no hospital, presidente discute com o Itamaraty os ajustes finais do pronunciamento que fará nas Nações Unidas, no dia 24. Planalto pretende evitar críticas a chefes de Estado


postado em 16/09/2019 04:00 / atualizado em 16/09/2019 08:04

Ideia ufanista de defesa à soberania brasileira na Amazônia estará no centro das atenções(foto: Luis Robayp/AFP)
Ideia ufanista de defesa à soberania brasileira na Amazônia estará no centro das atenções (foto: Luis Robayp/AFP)
Brasília – O discurso exato do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) está em fase de ajustes finais pelo Itamaraty, mas o tema central é o que agitou o governo nas últimas semanas: a Amazônia. A defesa da soberania brasileira na Região Amazônica será o cerne do pronunciamento do chefe do Executivo federal, que abre, oficialmente, a cerimônia, no dia 24. Alfinetadas ao presidente da França, Emmanuel Macron, que sugeriu a internacionalização da área, estarão nas entrelinhas. No Palácio do Planalto, dizem que a ideia é evitar um desconforto diplomático, ou seja, não tecer críticas nominais a quem quer que seja. Isso inclui a alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet.

A resposta a Macron e a outros chefes de Estado que, em algum momento, Bolsonaro deu declarações controversas – e, por vezes, atravessadas –, será feita mediante explicações sobre o que o Brasil tem feito para controlar os incêndios na Amazônia. Sustentará ainda que as queimadas não são tão graves, além de outras medidas relacionadas à fiscalização e o combate ao desmatamento ilegal. A reação a Bachelet, com quem travou embates recentemente, será feita por meio da citação de queda de homicídios no Brasil em cerca de 20% no primeiro semestre.

Além de medidas para proteger a soberania, Bolsonaro reforçará ainda uma visão de proximidade do Brasil com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), destaca o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO). “O presidente certamente terá um grande destaque na defesa a essas matérias, com uma visão altiva e independente em relação à ONU”, sustenta.

O presidente defenderá ainda a democracia e as instituições, tema em que ele deve alfinetar o ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, e procurar desmistificar a imagem de um governo autoritário e não-democrático que algumas nações possam ter. Nessa toada, ele reforçará os feitos que o governo, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF) têm feito pelo país, como a aprovação da reforma da Previdência. O aceno tem por objetivo mostrar os esforços brasileiros para a retomada econômica, em sinalização à busca por investimentos estrangeiros.

O aceno em busca dos recursos estrangeiros será feito na dose certa, mas é certo que a ideia ufanista de defesa à soberania brasileira na Amazônia estará no centro das atenções. E Bolsonaro fará isso com um viés protecionista, mas mais simbólico do que comercial. Em entrevista publicada ontem pelo EM, o presidente em exercício, Hamilton Mourão, deu o tom do que pode esperar do discurso. “Eu acho que o recado número um (será de que) a Amazônia é nossa. Isso aí não podemos admitir em hipótese alguma essa questão de soberania limitada ou uma ingerência além daquilo que os tratados internacionais, ao qual o Brasil subscreve, prevê. Então essa é uma. O segundo recado: ela é nossa e compete a nós protegê-la e preservá-la. Acho que são as duas mensagens que ele (Bolsonaro) tem que integrar”, destaca.

Riscos 

 

A ênfase à Amazônia é destacada pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência, Augusto Heleno. Para ele, é positivo que o mundo esteja observando o Brasil no momento do discurso. “As informações sobre a Amazônia, na maioria do mundo, são tão precárias, são tão ingênuas, são tão desprovidas de conteúdo, que é ótimo que se voltem para o Brasil, que voltem os olhos para o que é a Amazônia e o que representa a Amazônia para o Brasil. Primeira coisa tem que deixar muito claro que não tem esse negócio de que a Amazônia é o patrimônio da humanidade”, comentou, em entrevista à Rede Vida.

O Itamaraty monitora o risco de boicote ao discurso de Bolsonaro, mas não demonstra preocupação. À reportagem, comunicou que os movimentos serão ignorados. Internamente, no entanto, o Ministério das Relações Exteriores está dividido. O gabinete do chanceler, Ernesto Araújo, acompanha de forma mais pragmática as ameaças. Núcleos não tão próximos, entretanto, veem com preocupação a possibilidade de boicote a produtos brasileiros por parte de consumidores e empresas internacionais, como retaliações à importação de couro brasileiro.

Os boicotes não devem trazer tanto impacto prático, mas mostrarão uma mudança mais radical à imagem multilateralista que o Brasil transmitia até 2018, pondera o analista político Ricardo Mendes, sócio-diretor da Prospectiva. “Não acredito em uma repercussão muito grande, mas, de qualquer forma, devemos ver alguma mobilização. Será um discurso relativamente curto, onde tentará ressaltar coisas sendo feitas e a agenda positiva e aberta a negócios”, pondera.

O cientista político Lucas Fernandes, analista político da BMJ Consultores, concorda com a previsão. “O risco não é tão elevado. França, Irlanda e Luxemburgo devem se retirar, mas não acho que será um movimento acompanhado por delegações de outras grandes lideranças mundiais. Não será algo visto em grandes proporções”, avalia.

Retomada no exterior

 
A ida do presidente Bolsonaro a Nova York será a retomada da agenda externa brasileira. Estão previstas viagens do chefe do Executivo federal para Japão, China, Emirados Árabes e Arábia Saudita. E, em novembro, o Brasil sediará a cúpula do Brics, bloco formado com a participação da Rússia, Índia, China e África do Sul.

A presença de Bolsonaro no Japão ainda está sob avaliação do Itamaraty. A reportagem apurou que o gabinete de Ernesto Araújo, ainda avalia a ida de Bolsonaro à coroação do imperador japonês, Naruhito. Como foi à cúpula do G-20, em Osaka, onde tratou acordos comerciais com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, a ida ao país pode ser postergada. Entretanto, avaliam também que seria uma boa possibilidade para Bolsonaro, presidente pro-tempore do Mercosul, negociar o acordo entre o bloco e o Japão.

As viagens à Ásia terão como objetivo abrir portas e emplacar outros setores não tão bem aproveitados. O Brasil mostrará que cumpre os padrões de qualidade exigidos pelos parceiros comerciais. A visita à China é uma das mais esperadas. Depois de um início de relação desgastada, com algumas desavenças em razão da proximidade sinalizada pelo governo brasileiro com os EUA, Bolsonaro terá a oportunidade de aprimorar o relacionamento com o principal parceiro comercial do país.  (Colaborou Ingrid Soares)

Bate-papo com a filha e visita de Moro


O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, afirmou, em entrevista coletiva no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde Jair Bolsonaro está internado, que a equipe médica deve se deslocar para Brasília após a alta para fazer uma avaliação do presidente, em data ainda a ser definida, antes da viagem para a Nova York. Ontem, os médicos informaram que Bolsonaro “continua apresentando melhora clínica progressiva” após a cirurgia de correção de uma hérnia no abdômen. “Permanece sem dor, afebril e com melhora dos movimentos intestinais. Mantida a dieta cremosa com boa aceitação, dando início à redução do volume da alimentação parenteral (endovenosa). Persiste com fisioterapia respiratória e motora, caminhando frequentemente pelo corredor. As visitas seguem restritas”, diz o boletim do hospital. No Twitter, além de exaltar feitos da sua administração, o presidente divulgou um vídeo em que bate-papo com a filha, Laura, e uma foto com o ministro da Justiça, Sergio Moro, ao lado das respectivas mulheres: a primeira-dama Michelle Bolsonaro e a advogada Rosângela Wolff Moro.

Por força da tradição


Assembleia-Geral da ONU, onde o presidente Bolsnaro fará o discurso no dia 24(foto: Amanda Voisard/ONU)
Assembleia-Geral da ONU, onde o presidente Bolsnaro fará o discurso no dia 24 (foto: Amanda Voisard/ONU)
radicionalmente, o discurso de um presidente da República brasileiro abre a Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). O costume não está previsto em nenhum estatuto, mas é um reconhecimento ao Brasil, um dos fundadores e o primeiro a aderir à organização, criada em 1945. Dois anos depois, Oswaldo Aranha, que ocupou os ministérios da Justiça, Relações Exteriores e da Fazenda nas gestões de Getúlio Vargas, presidiu a primeira e a segunda sessão no mesmo ano. Nas duas edições, foi aprovada a criação do Estado de Israel, com voto favorável do Brasil. Pelo fato histórico, inclusive, é esperado de Bolsonaro afagos ao atual primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Desde então, o chefe de Estado brasileiro sempre inaugura a Assembleia Geral, em reconhecimento ao papel desempenhado por Aranha. A fala do presidente brasileiro é sucedida pelo discurso do presidente dos Estados Unidos. Ao todo, 193 estados-membros compõem a Assembleia Geral. A ordem de pronunciamento dos demais chefes de Estado, tradicionalmente, é baseada em alguns critérios, como nível de representação e preferência.


Publicidade