Publicidade

Estado de Minas

PT acusa Bolsonaro de importunação sexual e estuda pedir teste de sanidade

A lei prevê reclusão para quem divulgar cenas de sexo ou pornográficas sem o consentimento da pessoa


postado em 06/03/2019 10:01 / atualizado em 06/03/2019 10:57

O presidente do Brasil usou as redes sociais para perguntar o que é um 'golden shower'(foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)
O presidente do Brasil usou as redes sociais para perguntar o que é um 'golden shower' (foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)

Depois do vídeo com conteúdo sexual postado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para criticar o carnaval no Brasil, o vice-presidente nacional do PT, deputado federal Paulo Teixeira, disse pelas redes sociais que vai representar contra o presidente pelo crime de importunação sexual.

Segundo o petista, Bolsonaro pode ser enquadrado na Lei 13.718/2018, que prevê pena de reclusão de um a cinco anos por publicar cenas de sexo, nudez, ou pornografia sem o consentimento da pessoa. A pena aumenta em um terço se houver intuito de vingança ou humilhação.

“Vamos representar Jair Bolsonaro pelo vídeo que postou. A lei 13.718,  recentemente aprovada, tipifica o crime de divulgação, sem o consentimento da vítima, de cena de sexo, nudez ou pornografia”, anunciou Teixeira.

Teste de sanidade


O PT vai estudar a possibilidade de pedir um teste de sanidade ao presidente da república, a exemplo do que congressistas americanos propuseram em relação a Donald Trump. Para o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta, o post de Bolsonaro foi uma resposta às críticas que ele sofreu no carnaval.

“O presidente não suportou as homenagens a Marielle, as marchinhas do Queiroz e as palavras de ordem contra ele que se tornaram marca no carnaval. Uma pessoa que ocupa um cargo desses tem que ter equilíbrio emocional e psicológico para suportar a pressão e saber conviver com críticas, tudo que ele mostrou que não tem”, disse.

Paulo Pimenta disse que também é preciso saber se é Bolsonaro mesmo quem faz as postagens. “Não é possível em uma festa como o carnaval, que projeta o Brasil no mundo e é uma marca para o turismo e a cultura, o presidente pegue uma cena dessa e distribua para o mundo como se essa fosse a imagem  do carnaval”, disse. Para o deputado,

O petista citou ainda um suposto laudo que diria que Bolsonaro foi expulso do exército por insanidade. A informação circulou durante o período eleitoral mas foi desmentida pelo Exército em checagem de agências de notícia.

Decoro presidencial


Pelas redes sociais, ganha força a hashtag #impeachmentbolsonaro. Vários internautas postaram o artigo 9 da lei 1.079/50, que define os crimes de responsabilidade contra a probidade da administração pública. Entre eles está o de “proceder de modo incompatível com a dignidade, a honra e o decoro do cargo”.

Criticado em vários blocos de carnaval pelo país, Bolsonaro postou na terça-feira um vídeo em que um homem mexe no ânus e urina na cabeça de outro homem. O Twitter colocou um aviso de conteúdo sensível no post. Segundo o presidente da República, “é isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro”.

Nesta quarta-feira, após a hashtag #bolsonarogoldenshower ficar entre as mais comentadas do Twitter, o presidente usou novamente a conta para perguntar o que significa o termo “golden shower”.

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, estão publicando mensagens de apoio a ele com a hashtag #bolsonarotemrazao e críticas à esquerda.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade