Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Recém-eleito, Poit se mobiliza contra aumento de salário dos deputados

O pai de Vinicius Poit foi dono da Poit Energia, empresa de locação de geradores e transformadores, vendida em 2012 por mais de R$ 400 milhões


postado em 10/10/2018 07:55 / atualizado em 10/10/2018 08:59

Vinicius Poit(foto: Reprodução/Facebook)
Vinicius Poit (foto: Reprodução/Facebook)

Candidato a deputado federal mais bem votado em São Paulo pelo Novo, Vinicius Poit, de 32 anos, filho do empresário Wilson Poit, secretario municipal de Desestatização e Parcerias da Prefeitura, não quer que o seu eleitor pense que ele é apenas um jovem abastado brincando de fazer política.

"Eu já nasci com uma condição um pouco melhor. Mas meu pai começou do zero. Ele me ensinou o valor da educação, do trabalho e o senso de propósito", disse. O pai de Vinicius foi dono da Poit Energia, empresa de locação de geradores e transformadores, vendida em 2012 por mais de R$ 400 milhões.

Com mais de 200 mil votos, o deputado recém-eleito é formado em administração de empresas pela FGV e já atuou no mercado financeiro - além de trabalhar na empresa da família até a sua venda. Ele também é pós-graduado em Coaching e mentor da Endeavor, instituto que apoia o empreendedorismo de alto impacto. Apesar do currículo moldado para uma atuação na iniciativa privada, ele se descobriu um interessado por questões sociais depois que entrou para o...teatro. "Durante a faculdade fiz um curso de teatro. Nem lembro direito o motivo. Mas era pra me desinibir, me conhecer melhor", conta.

Nesse curso, Vinicius se envolveu com a ONG Dr. Cidadão, que tem um trabalho parecido com o dos Doutores da Alegria, e fez visitas aos pacientes do Hospital do Mandaqui, na zona norte de São Paulo. "Eu ia de caipira e canta músicas sertanejas para os pacientes", lembra. Empolgado com a atuação, envolveu-se também em ONGs como a Make Them Smile e a ARCAH - que atuam no resgate de pessoas em situação de rua.

Apesar de ter gasto sola de sapato pelo Estado, a sucesso eleitoral de Vinicius foi impulsionado por sua ação nas redes sociais e WhatsApp. Ele distribuiu vídeo e textos para mais de 280 mil seguidores no Facebook, mais de 47 mil no Instagram e mais de 6.500 do Twitter. No WhatsApp, tem uma rede com aproximadamente 30 mil contatos.

O resultado da eleição foi recebido como final de Copa do Mundo. No dia seguinte, além de agradecer os votos, Vinicius postou um vídeo em sua página de Facebook sobre um abaixo-assinado contra um eventual aumento de 16% no salário dos deputados federais. Ao conversar com a reportagem, ele disse estar esperando um contato, via WhatsApp, do presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM) para combinar uma possível entrega dessa abaixo assinado.

A reportagem entrevistou Vinicius Poit. Veja abaixo os principais trechos:

Como nasceu o seu interesse pela política?

Atuei com ONGs ajudando pessoas em situação de rua. Participei das manifestações pelo impeachment da Dilma. Encontrei no Novo algo com que me identificava.

Haddad ou Bolsonaro?

Independentemente da posição do partido, não podemos deixar o PT voltar ao poder. Com uma vitória de Bolsonaro, não vou ser aliado nem oposição. Eu vou fiscalizar o governo.

Quais seus projetos?

Vou trabalhar pela desburocratização e pelo empreendedorismo. Não pode ser tão difícil abrir uma empresa aqui no Brasil. Também vou trabalhar pelo corte de gastos e contra a corrupção.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade