Publicidade

Estado de Minas

Justiça determina prisão de ex-prefeito de Passos por corrupção e lavagem de dinheiro

Ataíde Vilela é acusado da prática de crimes envolvendo irregularidades no setor de coleta seletiva


postado em 24/07/2018 16:50

(foto: Jeferson Tavares/Jornal Folha da Manha )
(foto: Jeferson Tavares/Jornal Folha da Manha )

A Justiça determinou nesta terça-feira a prisão do ex-prefeito de Passos, no Sul de Minas, acusado de participação em esquema de recebimento de propina e lavagem de dinheiro. O pedido foi feito pelo Ministério Público em desdobramento das investigações da Operação Purgamentum.

Ataíde Vilela é acusado pelo MP de três crimes de corrupção passiva por beneficiar empresa de coleta de lixo da cidade em troca do recebimento de vantagens financeiras.

Apesar do oferecimento da denúncia, o ex-prefeito ainda não foi preso, de acordo com o MP. “O ex-prefeito não foi localizado até o momento. Informações repassadas pela Polícia Civil (PC) ao MPMG dão conta de duas diligências realizadas na casa do ex-prefeito. A residência, segundo a PC, estaria fechada e com indícios de que não há ninguém no local”, informou nota do MP.

Em novembro do ano passado o ex-prefeito teve a prisão preventiva decretada pela Justiça pelos crimes de peculato, fraude em licitação, além de organização criminosa e obstrução de justiça. Mas, conseguiu um habeas corpus e foi solto. De acordo com o Ministério Publico, o esquema tinha participação de políticos, servidores públicos e empresas.

“Para ocultar e dissimular o dinheiro oriundo dos atos de corrupção, segundo a Promotoria de Justiça de Passos, o ex-prefeito elaborou um circuito estável de lavagem de dinheiro por meio da realização de vários negócios imobiliários de compra, edificação e venda realizados por meio de interpostas pessoas, todas de seu entorno familiar”, afirma o MP.

Ainda de acordo com o MP, o esquema continuou ocorrendo mesmo após Ataíde Vilela ter deixado a administração do município e só teve fim quando foi decretada a indisponibilidade de bens.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa do ex-prefeito.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade