Publicidade

Estado de Minas

Temer perde "o prazo" para aprovar reforma da Previdência

Ao menos é o que indica os dois principais responsáveis por colocar a matéria em votação: os presidentes da Câmara, deputado Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira


postado em 02/02/2018 11:44 / atualizado em 02/02/2018 12:18

Presidente Michel Temer(foto: Sérgio Lima/AFP)
Presidente Michel Temer (foto: Sérgio Lima/AFP)

O principal aliado do presidente Michel Temer (MDB/SP) para conseguir aprovar a reforma da Previdência, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM/RJ), não está nada otimista.

Se Maia, que tem prerrogativa de colocar a matéria em votação, emperrar, adeus mudanças nas regras para aposentadoria e recebimento de pensões neste ano eleitoral.

O líder do governo no Senado, senador Romero Jucá (MDB-RR), lembrou nesta semana que a palavra final da votação ou não do texto é de Maia.

Já na condição de quem costura sua candidatura a presidente da República, agora, em 2018, Maia vem sinalizando querer se desvencilhar de temas impopulares. Nessa quinta-feira (1º), o presidente da Câmara voltou a repercutir o esforço do governo para aprovar a reforma da Previdência.

Além do corpo a corpo com os parlamentares, Temer tem se desdobrado em entrevistas à imprensa para tornar as mudanças mais palatáveis. Sempre com o mantra de que se não mudar, vão faltar recursos no futuro para pagamentos dos benefícios devidos aos contribuintes.

"O problema da reforma é o tema da Previdência, que é polêmico. Tem que esclarecer para a sociedade. Não tem relação com rejeição ou não do governo. A sociedade conseguindo entender que ela é fundamental, a sociedade vai ajudar", declarou Maia ao deixar, na noite dessa quinta (1º) o Supremo Tribunal Federal (STF), onde participou da sessão de abertura do ano no Judiciário.

Ao lado de Maia, o presidente do Senado, Eunicio Oliveira (MDB-CE), não falou com a imprensa. O emedebista tem sido pressionado pelos deputados a dar uma declaração forte de que vai pautar a reforma no Senado, após ela ser aprovada na Câmara.

Ou seja, diante da avaliação de Maia e do silêncio de Eunício, fica cada vez mais claro que Temer, ao que parece, perdeu o timing ( prazo) para aprovar em seu governo as novas regras para aposentadoria no Brasil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade