Publicidade

Estado de Minas AGROPECUÁRIO

Encontro Pan-Americano de Jovens Produtores de Leite

Segunda edição do evento internacional promove troca de experiências sobre as diferentes realidades de produtores leiteiros da América Latina


CCPR
Conteúdo patrocinado
CCPR
postado em 28/09/2015 06:00 / atualizado em 28/09/2015 14:11

Registro especial dos jovens cooperados da CCPR/Itambé com o presidente da Fepale, Bernardo Macaya, com o secretário geral da federação, Ariel Londinsky e com o chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins(foto: Aelson Amaral/Embrapa)
Registro especial dos jovens cooperados da CCPR/Itambé com o presidente da Fepale, Bernardo Macaya, com o secretário geral da federação, Ariel Londinsky e com o chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins (foto: Aelson Amaral/Embrapa)

Entre os dias 15 e 17 de setembro foi realizado o 2º Encontro Pan-americano de Jovens Produtores de Leite, em Juiz de Fora (MG). O evento que é promovido a cada dois anos pela Federação Pan-americana do Leite (Fepale), teve 224 participantes inscritos, oriundos de 5 países latino-americanos, sendo 164 brasileiros. Entre eles, 19 jovens associados e filhos de cooperados da CCPR/Itambé que partiram para a cidade mineira em busca de novos conhecimentos e intercâmbio cultural com produtores de todo o continente.

O encontro foi realizado em parceria com instituições nacionais como a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (SESCOOP) e a Embrapa Gado de Leite, que recebeu os participantes em seu campo experimental localizado no município de Coronel Pacheco (MG), no primeiro dia do evento.

A visita foi dividida em cinco estações temáticas : sistema de produção de leite à pasto com rebanho girolando, sistema intensivo de produção de leite com rebanho puro holandês, sustentabilidade na atividade leiteira, pecuária de precisão, forrageiras comerciais mais utilizadas no Brasil e sistema de integração lavoura, pecuária e floresta (ILPF).

"O campo experimental é muito grande e a visita foi bastante produtiva. As estações nos enriqueceram muito com conhecimento para melhorar a produção de leite. Durante todo o tempo, trocamos experiências com realidades diferentes de propriedades no Brasil e de outros países", conta Cíntia Santos, que é médica veterinária e filha do associado da Cooperativa Agropecuária de Abaeté (Cooperabaeté) Ricardo Santos. A participante dividiu quarto com a produtora Jhenifer Nascimento, que vive a mais de 1000 km distância dela, em Castro (PR). Associada da Castrolanda Cooperativa Agroindustrial, ela participa do grupo de jovens da organização e vive a realidade da produção familiar. "Vou apresentar as informações que aprendi no encontro para o comitê da cooperativa e levar ideias que possam ajudar a todos os produtores a ampliar os seus negócios", explica Jhenifer Nascimento.

O segundo dia do evento teve uma programação de palestras e dinâmicas de grupo. O presidente da Fepale, Bernardo Macaya, proferiu a palestra de abertura sobre o futuro do mercado internacional de lácteos. Ele apresentou dados desafiadores para os jovens presentes na plateia. A perspectiva para o ano de 2050 é de que a população do planeta será de 9 bilhões de pessoas. Até lá, a América Latina reunirá mais condições para a produção de leite em maior escala com menos animais e menor espaço de terra.

Macaya apresentou dados relevantes sobre o continente, a expansão da atividade leiteira e a maior exigência dos consumidores da matéria-prima, que implica na formalização de legislações cada vez mais rígidas, controle do bem estar do rebanho e busca por produções que levem em consideração conceitos como a sustentabilidade e a automatização da produção.

As oportunidades da América da Latina neste processo de mudanças são muitas, na opinião do presidente da Fepale. "Somos privilegiados em relação a outras regiões e por isso fomos chamados de dispensa global pelo Banco Interamericano do Comércio (BID). Temos disponibilidade de água, oportunidades de aumento de produtividade e competitividade nos custos de produção. Além disso, o leite é insubstituível na nutrição humana, não há obstáculos para seguir na atividade", analisa Macaya.

O pesquisador do Centro de Investigação em Alimentação e Desenvolvimento (CIAD) Aaron Gonzalez apresentou as evidências científicas que comprovam as vantagens do consumo de leite e derivados. "O leite é um alimento essencial desde o nascimento dos mamíferos e exerce benefícios para a nossa saúde. Os produtos derivados são considerados de alto valor biológico e por isso, revertem positivamente a credibilidade frente aos mitos gerados contra o seu consumo", avalia o pesquisador, que citou artigos de universidades renomadas e o papel das redes sociais no processo de formação de opinião dos consumidores.

O chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins, conduziu o debate sobre sucessão familiar a partir das palestras proferidas pelo pesquisador da mesma instituição Fábio Diniz, que trouxe exemplos de propriedades mineiras e contextualizou os principais conceitos que permeiam o tema como a diferença de gerações e a necessidade de diálogo entre sucessor e sucedido, e também pelo consultor Lucildo Ahlert, que desenvolve um trabalho de orientação com jovens em duas cooperativas no Rio Grande do Sul.

Os dois palestrantes convergem na ideia de que a sucessão é a transferência de todo valor e cultura que a família construiu ao longo das gerações. Para que haja harmonia neste momento, os dois lados da sucessão devem se planejar e abrir horizontes para os negócios da próxima geração.

O representante do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Hernan Chiriboga (IICA) e o presidente da Cooperativa dos Produtores Rurais do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (Cotrial), Vicente Nogueira, discutiram sobre papel dos jovens na cadeia produtiva do leite e a participação em organizações coletivas. "Na condição de presidente de uma cooperativa e na experiência de alguém que começou cedo na atividade leiteira, a minha recomendação é a de que todos participem ativamente de suas cooperativas. Trabalhar em algo coletivo que modifica a sua realidade e de outras famílias, tem um gosto muito especial", diz Nogueira.

No terceiro dia de evento, o pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste e coordenador do Projeto Balde Cheio, Artur Chinelato, proferiu a palestra "Empreender na produção de leite" e o produtor Nivaldo Michetti, deu o seu depoimento sobre o orgulho em ser produtor de leite.

O papel dos jovens


O chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins, avaliou o engajamento dos jovens durante o evento e o comprometimento com a proposta da sucessão familiar em suas propriedades. "Vimos os participantes bastante concentrados, anotando o que era dito, sem dispersão. Os jovens do leite são bastante comprometidos e para a Embrapa, que se renova constantemente e vislumbra o futuro, é importante mostrar que estamos construindo juntos um novo mundo para o leite", reflete.

Do ponto de vista do cooperativismo, o presidente da OCB, Márcio Lopes de Freitas, avalia como positiva a associação de produtores jovens às cooperativas de todo continente. "O encontro foi uma grande oportunidade para conhecer quem são os atuais jovens cooperativistas, o que eles pensam e como encaram os processos de desenvolvimento do setor onde estão inseridos", analisa.

Troca de experiências


Durante o evento, cinco jovens provenientes da Argentina, do Brasil, da Guatemala, do Panamá e do Uruguai apresentaram suas realidades como líderes em suas cooperativas e associações e também como produtores de leite. O representante brasileiro foi o associado da Cooperativa Agropecuária de Araxá (Capal) Jean Vítor Ribeiro.

"Sempre tive paixão pelo campo, mas não tenho tradição na família. Comecei o meu projeto de produzir leite aos 13 anos. Aos 18 anos, já tirava 80 litros por dia com oito vacas em lactação. Hoje tenho 25 anos, tenho a produção de 820 litros, com 36 vacas em lactação. Minha perspectiva é de produzir 2500 litros até 2019", explica o palestrante, que já ocupa a presidência do Núcleo de Jovens Cooperativistas e é membro do Conselho de Administração da Capal.

Próximo encontro

O 3º Encontro Pan-americano de Jovens Produtores de Leite será realizado em 2017, no Equador, país da participante Yomaria León, que é filha de produtores de leite e funcionária do Ministério da Agricultura e Pecuária daquele país. "O evento foi realmente muito importante para mim porque aprendi muito em apenas três dias. O encontro também tem a função de fomentar o consumo de lácteos e a produção leiteira em nível mundial, não somente na América Latina. Que venha o próximo", diz a jovem com bastante entusiasmo.
Visita ao campo experimental da Embrapa Gado de Leite em Coronel Pacheco (MG)(foto: Aelson Amaral/Embrapa)
Visita ao campo experimental da Embrapa Gado de Leite em Coronel Pacheco (MG) (foto: Aelson Amaral/Embrapa)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade