Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Sentimento

Família: muito além do laço de sangue


14/05/2022 04:00

Beatriz Breves*
Rio de Janeiro

“No sentido tradicional, ao consultar o dicionário “Aurélio”, família significa: ‘1. Pessoas aparentadas, que geralmente vivem na mesma casa, particularmente o pai, a mãe e os fi- lhos. 2. Pessoas do mesmo sangue (...) 5. Grupo de indivíduos que professam o mesmo credo, tem os mesmos interes- ses (...)’. 

Sem dúvida, essas são definições que representam o significado de relação familiar. Entretanto, se pensarmos em família sob a ótica dos sentimentos, o 
significado se amplia e vai além da condição social que se institui entre as pessoas. Fato é que a família, se compreendida pelo viés do sentir, transpõe o viés biológico material e 
constitui, como sendo o seu elemento principal, o vínculo formado entre as pessoas. 

E isso porque o vínculo não só une, mas, também, teria por função auxiliar na construção da identidade e, assim, oferecer algum sentido à existência. Família é amor, paixão, 
harmonia, raiva, discórdia, culpa, ódio, remorso, amizade, desarmonia, solidariedade, conquista, derrota, vitória, enfim, sentimentos e sentimentos que colorem a vida das pessoas. 

Tem a chamada ‘família original’, aquela que, se tornando geradora de outros núcleos familiares, na continuidade da vida, replica a cultura e seus valores. 

Tem a família de amigos, trabalho, profissão, tem até a família por tradição. Sem falar da que é formada por amigos ou mesmo aquela que agrupa animais e seres humanos. Enfim, a familiaridade, pelo viés dos sentimentos, se forma não pelos laços de sangue, mas pelos laços afetivos; melhor, pelo sentimento de pertencimento que une os seus integrantes. 

E essa, talvez, seria a razão de que, desde os primórdios da história, independentemente da forma como seja ou tenha sido instituída, a família culmina por se tornar o grupo ideal para o ser humano aprender a se relacionar, a respeitar. Enfim, a evoluir como gente. Até porque, o núcleo familiar, mesmo caminhando entre avenças e desavenças, é um grupo que está sempre aberto a acolher a pessoa que a ele é ligada por um vínculo, ou seja, pelos sentimentos.” 

*Psicóloga e psicanalista 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade