Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Pagamentos

Reflexão sobre o primeiro ano do Pix


01/12/2021 04:00

Ralf Germer
São Paulo
 
"Em apenas um ano após o lançamento, o Pix se tornou a modalidade de pagamento que transformou o mercado financeiro. Tanto sucesso se deve à forte aderência do brasileiro: o sistema de pagamentos instantâneos conta com mais de 100 milhões de usuários, que são pessoas físicas, e cerca de 7 milhões usuários, que são pessoas jurídicas, segundo dados de outubro do Banco Central. A transformação não acontece apenas por ter caído nas graças do público. A facilidade, rapidez e baixo custo de operação permitiram que o relacionamento entre prestadores de serviços e clientes se estreitasse ainda mais. A modalidade trouxe inovação e comodidade para os brasileiros, como a formalização de mais pessoas no sistema financeiro, maior familiaridade com pagamentos digitais, além de benefícios para o e-commerce. Neste último, pode-se ampliar as modalidades de pagamento, principalmente para quem não possuía cartão de crédito, evitando a retenção de estoque. Em apenas um ano de operação, o Pix deixou de ser preferencialmente utilizado apenas por pessoas físicas. A aderência chamou o e-commerce para a modalidade logo no primeiro semestre – em abril de 2021, já havia 330 milhões de chaves ativas. A ferramenta incentiva a compra por impulso dos clientes, principalmente por conta da facilidade e rapidez do pagamento. De acordo com um levantamento realizado em setembro deste ano pela consultoria Gmattos, 50% das lojas brasileiras oferecem o Pix como modalidade de pagamento; em janeiro, esse percentual era de 16,9%. O sucesso no comércio foi tanto, que no final de agosto o Pix consolidou-se como o segundo maior meio de pagamento em compras à vista no Brasil. O método ficou atrás apenas do dinheiro, competindo diretamente com o cartão de débito, conforme pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Novas ferramentas de segurança têm surgido, o que indica que importantes players do mercado financeiro se preocupam com a longevidade do Pix. Essas ferramentas evitam fraudes e golpes – como as chaves falsas, que eram criadas no início das operações, por exemplo. Em 12 meses, o mercado ganhou e o consumidor encontrou uma maneira fácil de gerir suas finanças, tendo à disposição um método de pagamento inovador. É nítido que o Pix provou seu potencial e ainda pode trazer outros benefícios para o brasileiro. Teremos muito a observar e usufruir pela frente."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade