Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas MEIO AMBIENTE

Quando se caminha para o abatedouro


30/09/2020 04:00

Daniel Marques 
Virginópolis – MG

"Absolutamente retrógrada e destrutiva a decisão do Conama desprotegendo restingas, manguezais e permitindo queima de lixo tóxico em fornos industriais. Restingas e manguezais são berçários naturais de 80% das espécies de importância econômica, atenuam a erosão, protegem o litoral, servem de filtro biológico, retenção de sedimentos e combatem o aquecimento global. Por outro lado, derrubou uma regra de 1999 que proibia queima de lixo tóxico em fornos usados para a produção de cimento, contrariando a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que estabelece que seja feito em ambiente controlado para evitar danos à saúde da população. Desnecessário ser especialista para saber que a região dos fornos que queimam lixo tóxico serão contaminadas, inclusive gerando prejuízo às empresas e seus funcionários. É incompreensível que a sociedade brasileira e suas instituições permaneçam alheios à destruição de nossas maiores e mais valiosas riquezas, apenas para permitir que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ‘passe a boiada’. Em última análise, somos nós a boiada que caminha para o abatedouro, liderados pelo presidente Bolsonaro e sua sanha destrutiva que nenhuma vantagem traz ao Brasil."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade