Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Rebelião contra máscaras mostra estupidez humana


23/08/2020 04:00

Gregório José
Belo Horizonte
 
"Podem até dizer que somos pessimistas ou ufanistas, que tentamos prever o futuro ou, simplesmente, que vivemos de inventar "coisas". Na realidade, mais do que prever, estamos apenas atentos aos fatos que poderão acontecer no futuro, principalmente por uma ‘onda mundial’ disseminada por grupos alheios à cidadania e ao bem comum. Grupos anarquistas que deterioram tudo que encontram pela frente, indo do aqui para ali e de lá pra cá. Não entendeu? Pois bem. Tudo que for contrário à vontade de um grupo que tenta se aproveitar de fanáticos para tirar proveito próprio e ‘abarcar’ falsos pensadores do bem comum. É pura baderna. Quem lê e consome notícias pode avaliar por si só o que vem acontecendo na França, que vive uma onda de violência imposta por grupos, na maioria de jovens, contrários ao uso de máscaras determinada pelo governo no esforço de combate ao coronavírus. Brigas por esse motivo vêm ocorrendo em comércios e transportes do país e têm causado preocupações, pois esses grupos vêm ganhando força nas redes sociais e também disseminam notícias falsas sobre a pandemia do novo coronavírus. Os militantes dessa ‘onda’ são contra o uso de máscaras e eles têm um ponto em comum: reivindicam seu direito à liberdade e se recusam a usar o que chamam de ‘focinheiras’. Para eles, as pessoas que respeitam as regras são ‘carneirinhos’, que precisariam ser despertados para a realidade. E você? Usa a máscara ou vai na nova onda? Ou você se protege contra o mal invisível aos olhos humanos, ou sucumbirá para ajudar aqueles que não têm o que fazer e que tentam desestabilizar a ordem atual da humanidade. Ter bom senso é recomendado. Sempre foi. Afinal, pensar em si e no próximo é questão humanitária."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade