Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS

Pandemia e perda do olfato: novos sintomas


postado em 30/04/2020 04:00

Vivaldo José Breternitz
São Paulo  

"A anosmia, perda total ou parcial do olfato, é um dos sintomas mais frequentes da infecção pelo novo coronavírus. Existe, no entanto, uma série de dúvidas acerca do assunto: o fato de que cerca de 80% dos infectados na Europa apresentaram o problema, enquanto que na China o número é muito menor, é uma delas. Foi na Alemanha que esse sintoma começou a ser percebido e mais bem observado. Embora os estudos até agora realizados não tragam muitas certezas, parece que em Wuhan, na China, onde a pandemia tomou corpo, apenas 5% dos pacientes foram afetados, e com apenas perda parcial do olfato, a chamada hiposmia. Há várias hipóteses para explicar essa diferença. Uma delas é que, como o vírus vai passando por mutações, alguns de seus efeitos acabem mudando. Outra estaria ligada a diferenças genéticas entre as populações chinesa e europeia. Também é possível que simplesmente esse sintoma não tivesse sido percebido pelos médicos chineses no início da pandemia. Também é curioso que a maioria dos pacientes com anosmia não apresenta congestão nasal ou catarro, causas comuns do distúrbio. Já se percebe que em 90% dos casos os pacientes recuperam o olfato em cerca de duas semanas, mas isso também é acompanhado de outro fato curioso, para o qual ainda não há explicação: alguns desses pacientes passam a apresentar um quadro temporário de parosmia – são capazes de sentir um determinado cheiro, mas o associam a outra fonte. Por exemplo, sentem o cheiro de pão fresco, mas o associam ao cheiro de uma fruta. De qualquer forma a pandemia está nos ensinando também na prática, sejamos ou não profissionais da saúde."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade