Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Fechamento do Hospital Galba Velloso em BH


postado em 21/04/2020 04:00




Alcione C. Moreira
Belo Horizonte

"Como fechar o Hospital Galba Velloso (HGV), que há anos vem acolhendo os pacientes psiquiátricos em crise grave, encaminhados da Grande BH e de diversos municípios de Minas? Como fechar um hospital tão importante para a sociedade, que lida com a doença psiquiátrica de forma tão precária? No momento em que eles mais precisam de acolhimento, ao invés de criarem mais leitos fecha-se um hospital de  referência? Se um paciente em crise psiquiátrica necessita de cuidados especializados, imagine quando ele for acometido pela COVID-19? Se o paciente em crise é difícil de ser cuidado em seu domicílio, imagine com uma doença infectocontagiosa, que requer cuidados de higiene, isolamento, sedação criteriosa, cuidados especializados de suas comorbidades. Os leitos oferecidos, atualmente, para esses pacientes agudos ficam aquém dos recomendados pela OMS. Então, como fechar? Os hospitais gerais de BH ainda não estão capacitados para receber esses pacientes. Se os municípios mineiros não estão preparados para atender o paciente com COVID-19, imagine se  esse paciente infectado pelo coronavírus estiver em crise psiquiátrica? Esta atitude nos leva a pensar o quanto nesses pacientes  excluídos, eles ainda não receberam a vacina da gripe, mas, acertadamente, até os presídios já receberam essa vacina importante. Transferiram os pacientes internados no HGV para o Instituto Raul Soares na calada da noite, da forma mais inadequada, sem o  mínimo de respeito ao paciente. Os familiares não foram bem preparados e nem mesmo os médicos que estavam responsáveis pela assistência daqueles pacientes foram comunicados. Eu pergunto: onde está o cuidado e a humanização antimanicomial? Onde está o plano de contingenciamento para o paciente psiquiátrico em crise com a COVID-19?."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade