Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Cirurgias infantis são assunto em Davos


postado em 26/01/2020 04:00

Fabio Mendes Botelho Filho
Belo Horizonte

“Aproximadamente, 2 bilhões de     crianças não têm acesso a cirurgias no mundo, apesar de 50% da população dos países em desenvolvimento e subdesenvolvidos serem de pessoas menores de 15 anos. No Brasil, nas últimas décadas, a principal causa de morte e sequelas em crianças são doenças cirúrgicas que podem ser prevenidas e/ou curadas. Ainda     existem falsos mitos: que as doenças mais prevalentes seriam as doenças infecciosas, que as doenças cirúrgicas são complexas e que são de            tratamento caro. Mas, não. Todos esses mitos são falsos. A maioria das doenças que impactam na vida da  criança, hoje, são cirúrgicas. Elas estão relacionadas ao trauma, anomalias congênitas e tumores infantis.     Aquelas que não podem ser              prevenidas, exigem pouco recurso tecnológico e financeiro para ser tratadas, em sua maioria. Isso            significa que os investimentos em cirurgia promovem crescimento econômico. Um recém-nascido que recebe tratamento adequado, por exemplo, para pé torto congênito, se beneficiará da cirurgia por mais de 70 anos, será economicamente ativo, poupará recursos do Estado, além de permitir à sua família também         trabalhar. Ter esse espaço no Fórum Econômico Mundial de Davos,         realizado na semana passada,           representa, portanto, uma vitória. Só em Minas Gerais, estima-se que 2  milhões de crianças precisarão de um atendimento para uma doença    cirúrgica. Temos recursos humanos suficientes, e estrutura hospitalar próxima do desejado. No entanto, nossa fila de pacientes aguardando cirurgia pediátrica é longa, sendo  centenas os pacientes. Devemos aproveitar os exemplos que estão ocorrendo no mundo para   melhorar a nossa realidade.”

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade