Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas AMAZÔNIA

Zé Dirceu suspeito de mentor das queimadas


postado em 21/09/2019 04:00 / atualizado em 20/09/2019 20:04

Múcio Batista de Souza
Belo Horizonte


 "É muito estranho que as 'queimadas' que estão ocorrendo na selva amazônica tenham aumentado de forma tão assustadora, no decorrer deste ano, preocupando não somente governantes de outras nações, como vem sendo divulgado pela mídia nacional e internacional, mas, em especial, nós brasileiros. O que temos observado é que todos aqueles que abordam o assunto, principalmente os formadores de opinião, insinuam que o único responsável pelos inúmeros focos de incêndio é o governo federal, na pessoa do presidente Jair Bolsonaro. Até o momento, não houve qualquer insinuação ou suspeita de que tantos incêndios sejam obra de sabotadores. Obviamente, a eleição do atual presidente, com sua mensagem de moralização dos costumes, já que a corrupção estava se enraizando em todos os poderes da República, abalou uma enorme parcela dos derrotados, isto é, daqueles que foram repudiados pela sociedade brasileira. Quem não se lembra do condenado José Dirceu, que recomendou aos militantes petistas atuarem nos sindicatos, universidades, organizações como MST e outras mais que possam prejudicar qualquer governo que não seja o dos petistas para os petistas? Muitos julgam aconselhável acompanhá-lo de perto, já que é bem possível que esteja comandando os incêndios na floresta amazônica brasileira, não fisicamente, mas como mentor desses crimes. Este José Dirceu é o velho terrorista que até fez plástica objetivando alterar sua fisionomia e fugir da Justiça e que, indiciado em processo penal, foi julgado e condenado a dezenas de anos de prisão e a quem foi concedida liberdade por membro do Supremo Tribunal Federal (STF) para que o meliante aguarde, em liberdade, julgamento de recursos interpostos pelos seus caríssimos advogados."


Publicidade