Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas PATRIMÔNIO

Ganho e perda num mesmo dia


postado em 11/10/2019 04:00

Fábio Moreira da Silva
Belo Horizonte 

"O 4 de outubro foi marcado pelo contraste nas notícias envolvendo o patrimônio cultural e histórico de Minas Gerais. Contraste que não se restringiu apenas na avaliação das diferentes artes arquitetônicas, que nos é muito útil para dar ênfase aos variados conceitos de identidade e de manifestações humanas. Mas uma antítese do bem e do mal, do renascimento e das cinzas, do reto e das curvas, do cuidado pela recuperação da memória das cidades e do descuido que gera a perda dela. Dia em que as notícias nos trouxeram de volta a Igreja São Francisco de Assis, cujos traços de Oscar Niemeyer a fazem compor o conjunto arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte. Restauração que devolve ao público a capela simbolizante da via-sacra e de São Francisco de Assis. Pelos arredores desse monumento, os jardins e a lagoa, com todas as suas mazelas, diga-se de passagem, e outras atrações que fazem da Igrejinha da Pampulha um dos principais cartões-postais de Belo Horizonte. Naquele mesmo dia, um incêndio de causa ainda desconhecida consumia outro monumento. A histórica Igreja Santa Rita de Cássia, em Sopa, distrito da também histórica Diamantina. Dada como o principal monumento arquitetônico daquele distrito, a comunidade viu sua principal capela, que era cercada por muros de lajes caiados e localizava-se em um sítio privilegiado, vir ao chão e virar cinzas por completo. Se na pequena localidade de Sopa havia uma joia no Circuito do Diamante, hoje este patrimônio não existe mais. Notícias que nos ensejaram a importância e alertaram da necessidade de cuidarmos do patrimônio arquitetônico, urbanístico, histórico e cultural de nossas cidades. Se as cidades são entidades vivas e em evolução, esse desenvolvimento não se faz com a perda da cultura e memória. A memória das cidades é coletiva. Os bens patrimoniais e culturais nos resgatam para essa faculdade e identidade. A ausência deles gera rupturas entre passado e presente."


Publicidade