UAI

Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Editorial

A vitória da vacina


19/09/2021 04:00

O Imperial College de Londres assinalou, na última quarta-feira, que o Brasil havia alcançado a menor taxa de transmissão da COVID-19 no ano, 0,81. Graças, sobretudo à vacinação, é a menor registrada no país desde novembro de 2020. À época, chegou a recuar a 0,68. Quando está abaixo de 1 – e o índice se mantém aquém desse patamar desde 29 de junho –, significa que o ritmo de contágio se encontra em trajetória descendente. Outra boa notícia: o dado é corroborado pelo mais recente Boletim do Observatório COVID-19, da Fundação Oswaldo Cruz.

Publicado na sexta-feira, o estudo da Fiocruz – que abrange o período de 5 a 11 de setembro – atesta a maior redução no número de infecções e mortes pela doença em 2021. E sinaliza que a desaceleração na ocorrência de óbitos – após 12 semanas consecutivas de diminuição – se deve à campanha de imunização e parece ser sustentável. Indica, ainda, tendência de queda no total de casos, mas com oscilações. Realizado a cada sete dias, o levantamento trabalha com a média semanal dos indicadores para evitar distorções e captar dados com mais precisão e segurança.

Além dos números relacionados a casos e mortes por coronavírus, o levantamento da Fiocruz destaca que a ocupação de leitos de UTI para pacientes adultos com COVID-19 se encontrava, no referido período, no melhor cenário desde que foi iniciado o monitoramento do indicador. Apenas uma capital apresentava taxa superior a 80%: o Rio de Janeiro, com 82%. E duas figuravam na zona de alerta intermediária, Boa Vista (76%) e Curitiba (64%). Ainda assim, pesquisadores da instituição alertam que ainda não é hora de relaxar nas medidas de proteção, como o uso de máscara.

De forma geral, o alerta dos cientistas faz todo o sentido. Isso porque o Brasil sobressai no contexto mundial como um dos países mais duramente afetados pela pandemia. Fica atrás apenas dos Estados Unidos em números absolutos de mortes por COVID-19. Enquanto os EUA se aproximam dos 700 mil óbitos, o número de pessoas que perderam a vida para a doença no território nacional é de quase 600 mil pessoas. Em relação às infecções, os números também assustam: lá são mais de 42 milhões de casos; aqui, mais de 21 milhões. 

Mas, neste momento, há um diferencial que favorece o Brasil na luta contra o coronavírus: a grande aceitação da vacina pela população. Aqui, à medida que mais brasileiros recebem doses do imunizante, o número de mortes e de infecções recua. Enquanto isso, nos Estados Unidos, o negacionismo freou o avanço da vacinação. Hoje, apesar de dispor de imunizantes de sobra, e a Casa Branca oferecer dinheiro para o americano que aceitar ser vacinado, os EUA não conseguem avançar na imunização e voltaram a registrar aumento na quantidade de casos e de óbitos. 

Enquanto isso, no Brasil, ocorre o oposto: a imunização avança de forma célere sempre que há doses disponíveis para serem injetadas. Com isso, o país já deixou os Estados Unidos para trás na aplicação da primeira dose. E, caso não aconteçam novos contratempos, caminha para ultrapassá-los em relação à vacinação completa. Quem tomar a segunda dose – ou dose única, no caso da Janssen –, certamente, verá.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade