Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Editorial

Bons hábitos alimentares

O consumo de alimentos ultraprocessados entre pessoas de menor escolaridade e também nas regiões Norte e Nordeste do país aumentou, mostrando a desigualdade


26/07/2021 04:00

Para quem não sucumbiu às gorduras e açúcares durante a pandemia (um escape para a ansiedade gerada pelo isolamento social e para o medo da contaminação pelo coronavírus), bons hábitos alimentares ajudaram a atravessar o período mais crítico da crise sanitária. Isolados em casa, muitos começaram a preparar a própria comida e a inserir alimentos mais saudáveis na rotina diária. Com a volta progressiva ao trabalho e estudos, graças ao avanço da vacinação, há preocupação de que essa mudança seja deixada de lado e as pessoas voltem a consumir mais produtos industrializados e, consequentemente, mais prejudiciais à saúde.
 
Um estudo da NutriNet Brasil, iniciativa do Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo (Nupens/USP), apontou que o consumo de hortaliças, frutas e feijão subiu de 40,2% para 44,6% em 2020, quando o coronavírus começou a circular no Brasil, entre parte da população que pôde ficar em isolamento e cozinhar em casa.
 
Ao mesmo tempo, revelou aumento no consumo de alimentos ultraprocessados entre pessoas de menor escolaridade e também nas regiões Norte e Nordeste do país, mostrando a desigualdade na resposta à pandemia de COVID-19. Houve elevação na frequência de pelo menos um grupo de alimentos ultraprocessados (de 77,9% para 79,6%) e de cinco ou mais grupos desses alimentos (de 8,8% para 10,9%).
 
A ingestão de alimentos processados e ultraprocessados eleva o risco de doenças crônicas, como obesidade, hipertensão e diabetes, que, por sua vez, aumentam a gravidade dos casos de COVID-19. Diversos estudos também apontam uma relação direta entre o consumo desses produtos e o surgimento de vários tipos de câncer.
 
Além de não trazer benefícios do ponto de vista nutricional, esses produtos contêm aditivos industriais e excesso de gordura, açúcar e sódio, entre outros. São itens como biscoitos doces e salgados, sucos em pó, refrigerantes, temperos prontos, embutidos, salgadinhos em pacote e guloseimas.
 
Especialistas têm alertado que uma dieta rica em calorias, gordura saturada e proteína animal e pobre em fibra vegetal está relacionada ao surgimento de diversos tipos de tumores.
É fato que a alimentação saudável e equilibrada garante todos os nutrientes necessários para o aumento das defesas imunológicas do organismo e para uma melhor qualidade de vida. No inverno, ganha maior relevância a escolha de alimentos saudáveis para melhorar a resistência do corpo contra doenças.
 
Com alto valor nutricional, ricos em vitaminas e minerais e funções antioxidantes e anti-inflamatórias, eles são benéficos à saúde. Grãos, raízes, tubérculos, farinhas, legumes, verduras, frutas, castanhas, leite, ovos, peixes e carnes devem ser priorizados na dieta. Assim como a hidratação é fundamental nesse processo. No inverno, as pessoas tendem a reduzir o consumo de água e isso implica riscos à saúde do organismo.
 
Mudar hábitos alimentares e de vida pode ser um processo lento, mas é importante que um primeiro passo seja dado no sentido de inserir no consumo diário fibras, vegetais, carnes magras e frutas e reduzir o fast-food. Cuidar da saúde começa pela boca. A boa alimentação é relevante não só para a prevenção e proteção contra doenças físicas e mentais, mas também na melhora do humor, do sono e da capacidade cerebral, aspectos fundamentais na qualidade de vida, tão abalada em tempos de COVID-19.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade