Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Desafios de gestão e logística das vacinas


24/06/2021 04:00

David Bueno
CEO da health tech Shield Company, empresa de gerenciamento, monitoramento, armazenamento e transporte de embalagens termolábeis para medicamentos e vacinas
 
Pensar em toda a cadeia que envolve as vacinas contra a COVID-19 no Brasil é esbarrar em um problema inicial que impacta na logística e no transporte: a regionalização dos depósitos. Considerar um único hub traz um ganho na gestão; contudo, gera um ponto de tensão a mais para o quesito da logística, que passará a ser muito mais exigida durante o processo de distribuição das vacinas para os estados e municípios. Vimos a complexidade que foi o envio das primeiras unidades direto do Centro de Distribuição Logístico do Ministério da Saúde (MS), em Guarulhos, voos atrasados e cancelados, obrigando alguns estados a contratar e utilizar aviões executivos (o que encarece a operação) para assegurar a entrega das vacinas.

Considero como uma boa estratégia a criação de centros secundários nos estados, amparados por uma robusta plataforma de gestão, permitindo a visibilidade em tempo real das posições de estoques, movimentações, validades, temperaturas e demais informações relevantes sobre as vacinas, rastreado por data loggers, que otimizaram todo o processo e preveem manter a qualidade técnica e estrutural de todos os produtos.

O segundo alerta que faço é para o cumprimento e respeito aos ranges de temperatura indicados por cada laboratório fabricante. Com todo o aparato tecnológico necessário, o Ministério da Saúde mitigaria riscos como perdas dos produtos em decorrência de excursões de temperaturas no armazenamento e transporte, movimentações e até mesmo prazo de validade curto.

Já o terceiro ponto, não menos importante, mas que apresenta a última etapa da operação, é o descarte dessas embalagens de armazenamento, sendo a mais comum o isopor. O problema das dispensações não chegou ainda aos holofotes de maneira contundente, mas caso essa tendência siga até o final da campanha de imunização, teremos gerado um passivo ambiental extremamente significativo como descarte e resíduos.

E voltando às vacinas, é importantíssimo lembrar que o Brasil, muito embora apresente sim desafios de gestão e logística, é um país com um dos maiores programas de imunização e mais eficientes do mundo. São mais de 30 mil unidades na rede pública de saúde capacitadas para atender a população.

Existem empresas nacionais com tecnologias e capacidade produtiva para suportar as demandas do MS, estados e municípios com plataformas de gestão, embalagens e estruturas para armazenar as vacinas em todo o território nacional, além da capacidade local para produção dos imunizantes via Fiocruz, Butantan e laboratórios privados. Precisamos, porém, de uma iniciativa integrada, que coloque players públicos e privados para trabalhar em conjunto, a fim de unificarem suas expertises para ação coordenada em todo o território brasileiro em função de um bem maior.
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade