Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

O suspiro do PIB


13/06/2021 04:00


Sacha Calmon
Advogado, coordenador da especialização em direito tributário da Faculdades Milton Campos, ex-professor titular da UFMG e UFRJ

Segundo Vera Batista (jorna- lista do Correio Braziliense), as taxas positivas de desempenho da agropecuária (5,7%), indústria (0,7%) e do setor de prestação de serviços (0,4%) garantiram o crescimento de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB, a produção de bens e serviços do país) no primeiro trimestre de 2021, em relação ao último trimestre de 2020, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado permitiu que a economia brasileira voltasse ao nível de atividade do quarto trimestre de 2019, período anterior à pandemia de COVID-19, mas, de acordo com o instituto, ainda está 3,1% abaixo do pico que havia alcançado de janeiro a março de 2014.

A recuperação da economia se deu num cenário de desemprego recorde que afeta 14,8 milhões de brasileiros e diante da retração do consumo das famílias, o que mostra que parcela da população não foi incorporada na melhora dos indicadores. De janeiro a março, o consumo das famílias diminuiu 0,1%, depois de dois trimestres de crescimento.

A agropecuária teve também bom resultado em relação ao primeiro trimestre de 2020, com alta de 5,2%. Nessa base de comparação, o PIB cresceu 1%. O setor se favoreceu também com os aumentos dos preços das commodities agrícolas, produtos cotados no mercado internacional, a retomada da demanda mundial, o que impulsionou as exportações brasileiras e a valorização do dólar.

Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, a indústria cresceu 3%, com o desempenho da indústria de transformação (5,6%) – influenciado pela fabricação de máquinas e equipamentos, produtos de metal, produtos de minerais não metálicos, e me- talurgia.

Outro fato que explica a performance da indústria brasileira foi a necessidade de recomposição dos estoques, que estavam muito baixos no fim do ano passado.

A atividade de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (2,1%) também cresceu no período, sendo estimulada pela retomada da economia, embora as bandeiras tarifárias de energia tenham sido mais desfavoráveis em fevereiro e março em relação ao mesmo período de 2020, segundo os dados divulgados pelo IBGE.

No setor de serviços, que contribuem com 73% do PIB, houve resultados positivos nas áreas de transporte, armazenagem e correio (3,6%), intermediação financeira e seguros (1,7%), informação e comunicação (1,4%), comércio (1,2%) e atividades imobi- liárias (1%). "A única variação negativa foi a da administração, saúde e educação pública (-0,6%).

Não está havendo muitos concursos para o preenchimento de vagas e está ocorrendo aposentadoria de trabalhadores, reduzindo a ocupação do setor.

Contudo, em relação ao primeiro trimestre de 2020, os serviços tiveram queda de 0,8%, com baixa significativa em outras atividades de serviços (-7,3%) – influenciada pelo declínio de serviços presenciais – e administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-4,4%). Em destaque ficaram os ramos de informação e comunicação (5,5%), atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (5,1%), atividades imobiliárias (3,9%), comércio (3,5%) e transporte, armazenagem e correio (1,3%).

Quanto aos investimentos, o PIB cresceu 1% no primeiro trimestre de 2021 ante o primeiro trimestre de 2020, turbinado por expansão de 17% da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos). O resultado foi puxado pela produção de bens de capital, mas também pela importação de plataformas de petróleo prevista no Repetro, regime aduaneiro especial, e pelo crescimento no desenvolvimento de softwares.

“O investimento cresceu mesmo tirando (o efeito do) Repetro. Ele ia crescer sem o Repetro pelo aumento na produção nacional de bens de capital, uma queda bem menor da construção e pelo aumento na parte de desenvolvimento de softwares.”

No entanto, o Indicador Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), registrou recuo de 4,7% em março frente a fevereiro deste ano.

O Brasil continua na rabeira dos países em desenvolvimento. Mas com este governo não se poderia esperar mais do que a iniciativa privada fez, por si só!

Bolsonaro é o pior presidente que o Brasil jamais teve, contando a primeira República, antes de Vargas, a segunda, derrocada pelo golpe militar de 1964, e a terceira, após o fim dos generais pre- sidentes, após Figueiredo, que não gostava do cheiro do povo, como o atual. O que vale são as diversões, as opiniões e as agruras da classe média, o campo político que sustenta o atual governo. O povão, calado, se manifestará ao tempo das eleições e derrotará o atual governo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade