Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas editorial

Meio ambiente volta à pauta

A condução da política ambiental brasileira é crucial para que as relações entre os atuais governos brasileiro e norte-americano sejam amigáveis


21/01/2021 04:00

Em lugar de pessoas, 200 mil bandeiras perfiladas diante do Capitólio representaram norte-americanos dos 50 estados do país. Foi nesse cenário, em que os eleitores não estiveram presentes, pela primeira vez na história, devido à pandemia, que Joe Biden fez seu primeiro discurso após ser empossado como o 46º presidente dos Estados Unidos. Ele conclamou os americanos a se unirem para reerguer o país, a “recomeçar do zero”. “Sem unidade não há paz, há apenas amargura e fúria. Não há progresso, apenas indignação exaustiva. Não há nação, apenas um estado de caos. Este é o nosso momento histórico de crise e desafio, e a união é o caminho a ser tomado”, disse.

O primeiro desafio de Biden é imunizar os norte-americanos contra a pandemia do novo coronavírus. Em seguida, unificar o país, ou pelo menos reduzir a tensão entre republicanos radicais, apoiadores de Trump, e os democratas, uma das missões mais difíceis. Em grande parte, a vitória foi alcançada pelo voto de migrantes e afro-americanos, vítimas da violência dos supremacistas brancos. Além das fraturas ideológicas e sociais, Biden está desafiado a recuperar a economia. Com a crise sanitária, o desenvolvimento dos EUA encolheu. O desemprego chega a quase 7% da população economicamente ativa; o Produto Interno Bruto recuou 3,5%, estando abaixo do nível pré-pandemia; e houve uma quebra generalizada de empresas.

O presidente Joe Biden, embora com maioria no Congresso, poderá ter dificuldades para elevar a carga tributária das empresas de 21%, fixada pelo antecessor Donald Trump, para 28%, como no período de Barack Obama. O pacote fiscal preparado pela equipe de Biden orienta as compras governamentais para as empresas norte-americanas. No entanto, só isso não será suficiente, e há quem aposte que a campanha para que todos comprem somente produtos nacionais terá pouca eficácia.

A guerra comercial entre os EUA e a China impactará o Brasil. Apesar de estar no polo oposto, Biden converge com Trump em relação à tecnologia 5G, desenvolvida pela concorrente chinesa Huawei. A China, no entanto, é a primeira parceira comercial do Brasil. Os Estados Unidos ocupam a segunda posição. Desagradar a um ou outro deixa o governo brasileiro em situação delicada. A tecnologia chinesa aportou no Brasil. Biden não deverá ser tão radical quanto Trump, mas poderá estabelecer limites à chinesa.

A condução da política ambiental brasileira é crucial para que as relações entre os atuais governos brasileiro e norte-americano sejam amigáveis. Biden anunciou que os EUA voltarão ao Acordo de Paris, do qual o Brasil é signatário, e reforçará a tendência dos países desenvolvidos de migrar para uma economia verde, com redução das emissões de gases de efeito estufa, responsável pelas mudanças climáticas. Bolsonaro, por sua vez, coloca em dúvida o que diz a ciência sobre o tema, assim como Trump. Juan Gonzalez, indicado por Biden para o cargo de diretor sênior para o hemisfério ocidental no Conselho de Segurança Nacional, será o responsável por assuntos ligados à América Latina, entre eles o meio ambiente. Gonzalez é um crítico da política ambiental do Brasil.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) só espera uma orientação de Biden para estabelecer sanções comerciais aos integrantes que desrespeitam o meio ambiente e não combatem o trabalho infantil e escravo, como ocorria nos anos 1990. Nessa perspectiva, o Brasil também seria afetado na OMC, uma vez que perdeu o status de país em desenvolvimento, certo de que ingressaria na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), com o apoio de Trump – algo que não se concretizou. Para evitar mais percalços, o Brasil terá de ter habilidade diplomática e adequar políticas à tendência mundial. Caso contrário, corre o risco de se tornar um parceiro esquecido.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade