Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas EDITORIAL

Um plano acertado

A palavra de ordem que deve prevalecer é o diálogo


postado em 30/03/2020 04:00

O governo fez bem em divulgar, no fim de semana, o Plano de Ação de Quarentena para tentar unificar as ações de combate ao novo coronavírus em todo o país. Somente com atuação sincronizada entre a União, estados e municípios as medidas de isolamento social adotadas, até agora, para atenuar os efeitos da pandemia, surtirão os efeitos desejados. Quando o Ministério da Saúde apresenta aos governadores e prefeitos a proposta de atuação conjunta entre os entes federados, fica claro que somente através do entendimento as autoridades conseguirão levar a bom termo essa batalha que apenas começou.

A palavra de ordem que deve prevalecer é o diálogo, tendo sempre em vista a mitigação das danosas consequências da pandemia sobre a população, sobretudo a mais carente. O plano apresentado pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, prevê inúmeras medidas, inclusive o fechamento das escolas até o fim de abril - com possibilidade de se prorrogar a suspensão das aulas por mais 30 dias -, o que era criticado por setores do próprio governo, mas que já vem ocorrendo Brasil afora. Também determina a proibição de qualquer evento com aglomeração de pessoas, como shows, cultos religiosos, partidas de futebol, exibição de filmes, teatro e abertura de casas noturnas, o que, na prática, vem acontecendo.

O proposta do governo prevê, ainda, o confinamento, por três meses, dos cidadãos do grupo de risco, maiores de 60 anos e portadores de doenças crônicas, como os cardíacos, diabéticos e com o sistema imunológico fragilizado. O ministro tem insistido na importância em se diminuir a circulação das pessoas e aproveitou para criticar as carreatas em favor do fim do isolamento social que aconteceram, nos últimos dias, em diversos pontos do país. "Daqui a duas, três semanas, os mesmos que falam em sair em carreata serão os mesmos que vão ficar em casa", vaticinou.

Na avaliação do Ministério da Saúde, a unidade de atuação entre os governos federal, estaduais e municipais é crucial nesta hora. Para os agentes de saúde, as medidas restritivas já em curso e as futuras devem ser reavaliadas com frequência. O isolamento mais rígido em todo o território nacional foi descartado por Mandetta, apesar de reconhecer que poderá ser adotado em determinadas regiões, dependendo do avanço do coronavírus. Para ele, não se deve pensar em isolamento vertical ou horizontal, mas sim na necessidade de ações mais restritivas em determinado momento e local.

Elogiado pela maneira como vem conduzindo as ações contra a pandemia, o ministro enfatizou os benefícios do distanciamento social para que não haja aumento explosivo dos casos positivos da COVID-19, o que, fatalmente, estrangularia os sistemas de saúde pública e privado. A expectativa é de que somente em agosto haverá a redução da contaminação. Mesmo ciente dos efeitos negativos que a quarentena já está provocando na economia, o governo acerta ao apresentar o Plano de Ação de Quarentena, pois, assim, poderá agir conjuntamente para diminuir, ao máximo, os estragos causados pela expansão do coronavírus.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade