Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Direitos humanos e direitos das mulheres

As mulheres sofrem todo tipo de discriminação, incluindo a virtual, que são agressões não apenas por meio de conteúdos misóginos escondidos na forma de brincadeiras


postado em 07/04/2019 05:07

Por que ainda precisamos falar de direitos humanos para mulheres? Os direitos humanos, como qualquer outro direito, resultam de um embate marcado por avanços e retrocessos. As mulheres tiveram diversas conquistas resultantes de muitas lutas, mas “ainda” ocupam um lugar de desvantagem. Quando associamos “mulheres” a “direitos humanos”, é comum ouvirmos todo tipo de questionamentos: “Mas os direitos não são para todos?”; “Não somos todos iguais?”. Mas números e exemplos nos ajudam a entender por que a questão reverbera em nossa sociedade.

A Agenda 2030 reúne as metas que os estados-membros das Nações Unidas concordaram atingir até 2030 e nela estão os novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que resultaram de negociações entre diversos governos, entre eles o Brasil. O acordo a que se chegou abrange 17 objetivos e 169 metas. O objetivo cinco recomenda: “Acabar com todas as formas de discriminação contra todas as mulheres e meninas em toda parte”. E, como diretriz fundamental, orienta que os Estados precisam adotar e fortalecer políticas e legislação aplicável para a promoção da igualdade entre homens e mulheres. Esse documento é importante porque, pela primeira vez, são reunidas dimensões para o desenvolvimento sustentável que eram pensadas de forma separada: econômica, social e ambiental. E vai além, ao colocar como fundamental a igualdade de gênero e o empoderamento feminino para que os objetivos propostos sejam alcançados.

As mulheres sofrem todo tipo de discriminação, incluindo a virtual, que são agressões não apenas por meio de conteúdos misóginos escondidos na forma de brincadeiras, como ataques massivos quando uma mulher “fere” as posições consolidadas na estrutura social, podendo ser seguidos, inclusive, de ameaças. Outro exemplo é provado por um estudo realizado pelo Banco Mundial que mostrou que, de toda a população feminina brasileira, 36% se casaram antes dos 18 anos. Segundo a pesquisa, meninas que se casam durante a infância sofrem com evasão escolar, gravidez precoce e abusos e violência doméstica. Mas o PL 56, de 2018, que retira as exceções legais permissivas do casamento infantil, foi aprovado e está apenas aguardando a sanção da Presidência para se tornar lei.

E, apesar de no Brasil a mutilação genital feminina não ser um procedimento usual, essa prática ocorre em todo o mundo, sendo mais comum em países da África e do Oriente Médio. E não podemos nos calar diante de uma prática cultural que se constitui como uma “horrenda violação dos direitos humanos”.

Nós (ainda) precisamos falar de direitos humanos especificamente para mulheres porque são elas que engrossam as estatísticas de violência em todo o mundo, simplesmente porque são... mulheres.

 

 


Publicidade