Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

A diferença entre caridade e filantropia

É incrível o poder que a sociedade civil organizada tem para exercer ações em prol das mais diferentes causas


postado em 29/03/2019 05:06

 

 








Gostaria de iniciar este artigo propondo um desafio: você sabe dizer quando e como surgiu a palavra filantropia?. De origem grega, como tantas outras presentes em nosso extenso vocabulário, sua origem se dá na época de Platão (347 a.C.), quando o filósofo instruiu seu sobrinho a investir os recursos da família para financiar uma universidade que seria fundada pelo pensador – a Academia Platônica. E para garantir a manutenção e o funcionamento da instituição, que era feita por alunos e professores, o capital destinado era fundamental.

Ou seja, mesmo que a origem da palavra (etimologicamente falando) signifique “amor à humanidade”, seu contexto histórico já demonstra que a filantropia vai muito além da caridade: envolve esforços para promover o fortalecimento concreto da sociedade. Diferentemente da caridade, que busca eliminar o sofrimento causado pelos problemas sociais, a filantropia foca na eliminação ou na redução dos problemas em si.

Hoje, a filantropia estratégica, que envolve mudança efetiva, investimentos sociais e desenvolvimento, é um conceito em crescente evolução no Brasil. As organizações têm adquirido mais conhecimento para uma atuação planejada, organizada e eficiente. Além disso, a realização de ações conjuntas entre iniciativas públicas, iniciativa privada e sociedade civil (terceiro setor) fortalece o setor social na economia do país. Considerando que a filantropia envolve, então, o “amor à humanidade”, a “promoção do fortalecimento da sociedade” e a “atuação estratégica do terceiro setor”, estamos falando de algo incrível: do poder que a sociedade civil organizada tem para exercer ações em prol das mais diferentes causas, gerando impacto e resultados efetivos que mudam – de verdade – vidas e realidades no mundo todo.

De acordo com o mais recente estudo elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), atualmente, no Brasil, há 820 mil organizações da sociedade civil, também conhecidas como ONGs. Dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do Ministério da Economia mostram que há quase 3 milhões de pessoas com vínculos de emprego nas organizações espalhadas pelo país. É um universo em pleno crescimento. A Rede Filantropia acredita – e muito – na força da filantropia estratégica, no real impacto que as organizações geram no país e na importância de capacitar e informar os gestores por trás dessas iniciativas – justamente para que possam se profissionalizar e atuar de forma inovadora em sua busca diária por recursos, parcerias e resultados positivos. Para tanto, há seis anos consecutivos, organiza o Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica, o Fife, evento itinerante idealizado para promover acesso a informações para os profissionais do terceiro setor.

Durante quatro dias, de 9 a 12 de abril, o Rio de Janeiro será palco de profissionais que sabem como fazer a diferença para o nosso país, com muito amor, caridade e filantropia estratégica. É momento de falar e de ouvir. Estamos prontos para ajudar a espalhar ainda mais amor para a humanidade. Será que o Brasil quer a nossa ajuda?



Publicidade