Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Amigos da Serra da Piedade

Permanece a ameaça à Serra da Piedade, com real possibilidade de impacto na vida de muitas pessoas, que podem sofrer, inclusive, com a falta de água


postado em 01/03/2019 05:10

Reconhecimento e gratidão àqueles que, corajosamente, defendem a Serra da Piedade. Caminhando com a Arquidiocese de Belo Horizonte, guardiã do Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade, no ponto mais alto do maciço, estão pessoas que defendem a sustentabilidade e o desenvolvimento integral. Cidadãos que, assim, pautam suas condutas de modo coerente com o evangelho de Jesus Cristo. Primam pela honestidade, patrimônio que a traça não corrói. Defendem a verdade, em vez de articulações que, mesmo amparadas por decisões judiciais - questionáveis, saliente-se -, buscam somente contemplar interesses pouco nobres. A crescente comoção do povo mineiro, que abomina a inadmissível decisão de autorizar a mineração na Serra da Piedade, faz crescer o interesse de toda sociedade a respeito dos inscritos e dos não inscritos na lista de amigos desse lugar sagrado.

Fora da lista de amigos da Serra da Piedade estão os que enxergam somente o interesse pecuniário, dominados pela idolatria do dinheiro e, por isso, defendem a mineração no território sagrado. Nessas pessoas, a qualidade dos recursos naturais da serra desperta somente a ganância. Estimula percursos indevidos, com decisões judiciais que, na sua obscuridade, ainda receberão luzes próprias do qualificado entendimento da lei, fundamentado no bem e na verdade. Tomem consciência os que estão fora da lista de amigos da Serra da Piedade: a decisão de explorá-la não é força para a retomada da economia mineira. A mineração em um lugar sagrado, a partir de juízos parciais, tende ao fracasso, cedo ou tarde.

A luta dos amigos da Serra da Piedade não está perdida. É uma grande batalha, por vezes considerada impossível de vencer. Estejam certos: o mal, muitas vezes, parece triunfar, mas, no fim, o bem sempre prevalece, conforme a história já mostrou tantas vezes. Permaneçam unidos os que defendem a serra, pois a hora é de buscar a vitória do bem. Esse triunfo pede radical mudança de mentalidade, a reorganização de interesses a partir do nobre sentido de cidadania. A Serra da Piedade precisa ser recuperada da ferida criminosa que lhe foi aberta no passado, por uma mineração não supervisionada, feita no desarvoro do lucro. É preciso que se determine, judicialmente, com exigências a quem se propõe a empreender, o caminho para a recuperação da natureza, de modo que a ferida na serra cicatrize e o território sagrado seja restaurado.

A Serra da Pidade é verdadeiro coração de Minas Gerais, pois congrega riquezas minerais, religiosas, históricas, culturais e paisagísticas que compõem a identidade do estado. Mesmo sendo tão preciosa, está sob ameaça. Às vésperas de se completar um mês da fatídica tragédia em Brumadinho, no Córrego do Feijão, um órgão do poder público estadual autoriza a ampliação da ferida na serra. Trata-se de desrespeito ao território sagrado e aos cidadãos enlutados. Decisão que contrasta com o posicionamento lúcido, corajoso e cidadão do Legislativo mineiro, que aprovou regras mais rígidas para a mineração. A lei, já com a competente sanção do governador do estado de Minas Gerais, contribui para mudar a história, evitando que vidas humanas e o meio ambiente sejam novamente devastados em tragédias inaceitáveis.

Mesmo assim, permanece a ameaça à Serra da Piedade, com real possibilidade de impacto na vida de muitas pessoas, que podem sofrer, inclusive, com a falta de água. A atividade minerária autorizada no território sagrado inclui a permissão para perfuração de poços artesianos profundos, para que se utilize a água no processo de lavagem do minério. A justificativa de pessoas interessadas na exploração da serra é fraca. O argumento é que a atividade minerária se ampara em decisão judicial. Há quem veja na composição de conselhos importantes, a exemplo daquele que autorizou a mineração na Serra da Piedade, a causa de problemas crônicos. Os critérios adotados para a seleção de representantes nessas instâncias estão mais submissos ao poder econômico, deixando, em segundo plano, o interesse coletivo.

A decisão que autoriza a ampliação da ferida no coração de Minas Gerais está em descompasso com os pronunciamentos do Conselho do Monumento Natural da Serra da Piedade, ligado ao poder público estadual. A exploração mineral autorizada prevê que a atividade de retirada de rejeitos utilize vias no território do Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade - solução mais barata para o empreendedor, que amplia o seu lucro, mas gera ainda mais degradação. Imaginem o absurdo: por dentro do território sagrado vão se deslocar 220 caminhões de rejeitos por dia, em mais de 400 viagens nessas estradas.

Não se sabe se os responsáveis pela decisão de autorizar a exploração do território sagrado, coração de Minas Gerais, têm consciência da gravidade das suas ações, que os coloca na lista dos "não amigos" da Serra da Piedade. O que se espera de todos eles? Que sigam o caminho da conversão. Por hombridade e respeito, abandonem a estrada que leva à desolação e ao fracasso. Que inscrevam seus nomes na história dos mineiros a serviço do bem, na lista dos amigos da Serra da Piedade.

 


Publicidade