Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Atendimento odontológico com sedação


postado em 22/02/2019 05:10

A odontologia tem passado por grandes transformações ao longo dos séculos. Uma delas é o atendimento odontológico com sedação. Mas para chegar a esse ponto, houve um longo caminho de pesquisas e avanços científicos. Pode-se dizer que a história moderna da dontologia começou em 1700, quando surgiram novos instrumentos que facilitaram a extração dos dentes. Até então, eram usados os "boticões", que, desprovidos de garras anatômicas, provocavam frequentemente fraturas nas coroas dentárias. Na época, os tratamentos eram feitos sem anestesia, a exemplo da medicina, que somente por volta de 1831 passou a usar o clorofórmio em seus procedimentos cirúrgicos.

Entretanto, da sua descoberta até os dias de hoje, muito tempo se passou para ela ser usada como acontece atualmente. Na odontologia, por exemplo, o uso da anestesia depende do local e da extensão em que o especialista pretende realizar o tratamento.

Há cerca de 10 anos, os profissionais da área têm utilizado, também, a sedação para atender os casos mais complexos e demorados, e, posteriormente, para atender pacientes com fobias, bem como para atender pacientes com necessidades especiais (sindrômicos ou com paralisia cerebral). Evidentemente, também, para o conforto do paciente.

No momento, temos três tipos de sedação: oral, inalatória e venosa. Nos casos mais complexos utilizamos a sedação venosa, pois essa é realizada por médico anestesista devidamente habilitado e capacitado para executar o procedimento com total segurança para o nosso paciente. A sedação inicia-se antes do procedimento odontológico e finaliza-se após o seu término. Portanto, a sua duração está vinculada ao tempo do procedimento a ser executado.

Para tais procedimentos, o cirurgião-dentista necessita ter um espaço físico adequado e os equipamentos para que o médico possa utilizar durante a monitorização do paciente, como monitor cardíaco, oxímetro e balão de oxigênio, entre outros.

Esse atendimento tem sido feito em mulheres, homens, idosos e, inclusive, em crianças para pequenas cirurgias bucais, e em adolescentes, especificamente para a remoção do dente siso.

Como benefícios, podemos citar  segurança, conforto, rapidez (pois o profissional não é interrompido durante o procedimento) e a qualidade nos resultados.

Com relação aos riscos, são os mesmos para qualquer tipo de procedimento cirúrgico, lembrando que para a sua realização é necessária a apresentação de todos os exames pré-operatórios e a liberação do cardiologista responsável. Somente após tudo aprovado podemos dar início à cirurgia com sedação.


Publicidade