Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Há luz no túnel para a Vale

A lição que aprendemos com tudo o que aconteceu é que há necessidade de seguir e cumprir normas punitivas e preventivas


postado em 16/02/2019 05:07

 






A tragédia em Brumadinho, em 25 de janeiro, causou, entre tantas outras consequências, uma das piores crises do setor de mineração. De 2015 a 2019, vivenciamos uma recorrência de fatos nesse segmento, o que torna difícil prever o que acontecerá daqui pra frente. Apesar disso, acredito que, ao contrário de Mariana, Brumadinho terá desdobramentos mais demorados.

Além da recorrência, temos um quadro de muitos outros fatores negativos, como vidas ceifadas, natureza destruída, falta de confiança dos investidores e dos acionistas, negociadores e de toda uma sociedade nacional e internacional. Levando em conta tudo isso, a retomada da confiança na companhia pode ser lenta, e até isso acontecer teremos oscilações das ações da Vale na bolsa, algo já esperado pelo mercado.

Devemos questionar o que será feito no futuro. Economicamente, o mercado entende que a Vale já vinha operando de maneira arriscada. No período de 2000 a 2010, a Vale distribuiu algo em torno de US$ 15 bilhões em dividendos para seus acionistas. Nos anos seguintes, 2011 a 2018, a empresa distribuiu um valor duas vezes maior.

Além disso, no início do período de aumento significativo nos dividendos, o preço do minério de ferro caiu pela metade, entre janeiro de 2011 e janeiro de 2019. Entendo que a estratégia utilizada pela companhia para enfrentar essa queda foi aumentar a produção, talvez em nível maior do que a segurança comportaria, para aumentar o faturamento, ao mesmo tempo em que investiu menos em manutenção, para reduzir gastos.

Esse tipo de estratégia nada tem a ver com incompetência, mas, sim, com um plano que prioriza o lucro em detrimento da segurança. Após a barragem de Brumadinho sucumbir e causar uma tragédia de grandes proporções, o plano ficou mais do que evidente aos olhos do público.

Em consequência, há uma pressão da sociedade civil, dos ministérios públicos, dos investidores e da população pela mudança da estratégia. A lição que aprendemos com tudo o que aconteceu é que há necessidade de seguir e cumprir normas punitivas e preventivas. Não basta corrigir apenas o que há pela frente. Precisamos de leis e normas que reconheçam todos os envolvidos e não apenas quem emite laudos.

Para a retomada da empresa, a transparência é fundamental na transmissão de informações à população e aos investidores. Claramente, a Vale conta com uma equipe técnica competente que tem um mapeamento de risco da situação. Podemos constatar isso no posicionamento rápido da empresa ao descomissionar 10 barragens similares a Brumadinho e Mariana.

Essa agilidade para evitar que mais tragédias como essas se repitam nos mostra que o rompimento das barragens aconteceu por escolhas estratégicas e não por falta de conhecimento. Por isso, a companhia precisa ser transparente e abrir sua investigação, por mais que isso seja seu atestado de culpa.

Além das consequências nacionais, a Vale enfrentará uma série de ações vindas dos Estados Unidos, da Ásia e da Europa. A China, grande compradora de minérios, possivelmente se pronunciará. E acredito que a maioria dessas ações deverá resultar em acordos financeiros.

Do ponto de vista estratégico, considero que a Vale deva voltar para suas raízes. Para isso, são necessárias transparência, gestão reestruturada e respostas claras à sociedade.  A companhia também deve reformular a estratégia de remuneração de seus acionistas, visando à sustentabilidade do negócio ao longo dos anos.

Apesar da grave situação, há luz no túnel para a Vale. Os bloqueios enfrentados pela mineradora são preventivos e devem ser superados por medidas judiciais em breve, para que não se inviabilize o setor.

O que aconteceu em Mariana e Brumadinho pode ser o ponto de partida para uma nova fase, que marca o fim da estratégia da atual Vale e o possível recomeço de uma tradicional companhia.

Ainda veremos a Vale fechando muitos acordos indenizatórios e isso terá um impacto expressivo em suas finanças, mas ainda assim não será algo que represente risco de fechamento ou falência, o que é positivo não só para a companhia, mas também para a economia em geral.


Publicidade