Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Maior presença de jovens profissionais no exterior


postado em 05/02/2019 05:02

 

 







Um fenômeno importante que vem aumentando nos últimos anos está mudando o perfil dos imigrantes brasileiros no exterior. Pesquisa divulgada em janeiro deste ano pela companhia de recrutamento e seleção Talenses, mostrou que a maioria dos brasileiros deixaria o país para trabalhar e viver no exterior. Entre os entrevistados, 91% afirmaram ter vontade de ter uma experiência profissional internacional. Estados Unidos, Canadá e Portugal são os destinos mais desejados.

O Brasil está entre as 10 nações onde as pessoas mais saem do país. No ano passado, cerca de dois mil milionários brasileiros foram viver no exterior, segundo pesquisa divulgada pela consultoria Global Wealth Report Review 2018. Com o atual cenário de insegurança que não para de crescer, o número de interessados em deixar o Brasil para viver em outro local está crescendo. Dados da Receita Federal apontam que, só em 2017, houve aumento de 400% no número de brasileiros que gostariam de emigrar. Foram 22 mil declarações de saídas definitivas do país.

O levantamento da Receita Federal também indicou que, desde 2014, o número de declarações de brasileiros que deixaram o país, em definitivo, cresceu 74%. No começo da década, em média, 9.000 pessoas deixavam o país por ano. Em 2014, foram 12.241.

No ano passado, pesquisa do Instituto Datafolha revelou que cerca de 70 milhões de brasileiros com 16 anos ou mais deixariam o Brasil se pudessem. Na pesquisa, feita em todo o país, 43% da população adulta manifestou desejo de sair para o exterior. Entre os que têm de 16 a 24 anos, a porcentagem vai a 62%. São 19 milhões de jovens com intenção de deixar o Brasil, o equivalente a toda a população de Minas Gerais, por exemplo. Os dados também revelaram que a intenção de jovens detentores de nível superior em sair do país está no nível mais alto dos últimos anos.

Esses números nos mostram que a força jovem brasileira está realmente olhando para o exterior como um terreno seguro para consolidar suas vidas e entregar sua força de trabalho. Falta de oportunidade, alta carga de impostos, insegurança social, aumento do custo de vida e questões ligadas à Previdência Social estão entre os fatores que levam os jovens a deixar o Brasil.

Este fenômeno, embora silencioso, marca uma importante guinada na exportação de talentos brasileiros ao mundo – uma mudança radical no perfil de brasileiros que emigram. Anteriormente, o perfil era de pessoas que mudavam em busca de possibilidades de trabalho, sem qualquer vínculo com áreas de formação.

 A internacionalização de empresas brasileiras – que estão ganhando cada vez mais espaço no mundo global – é outro fator que deve tirar centenas de jovens brasileiros do país nos próximos anos. Afinal, essas empresas precisarão contar com mão de obra qualificada quando no exterior. Os Estados Unidos, por exemplo, oferecem possibilidades imigratórias para jovens estrangeiros talentosos que desejam emigrar para lá. Os vistos de habilidades extraordinárias e excepcionais – que premiam com o documento de residência permanente  (green card) – profissionais de diversas áreas – deixaram clara a intenção do governo americano em atrair os cérebros mais talentosos do mundo, e os brasileiros estão mirando cada vez mais nessa possibilidade.

Na pesquisa da empresa Talenses, que foi respondida por 1.470 profissionais brasileiros, dos quais 1.239 vivem no Brasil e 231 no exterior, 80% dos integrantes do primeiro grupo demonstram interesse em ter um trabalho formal em outro país. Na hora de decidir sair do país em busca de oportunidades no exterior, o sonho de viajar e viver outra cultura é o principal motivador (35%), seguido pela crise e o desemprego atual (25%) e pela falta de perspectiva profissional aqui no Brasil (22%).


Publicidade