Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 02/02/2019 05:10

 

 






cartas:




TRAGÉDIA
Estão de brincadeira,
não podem estar falando sério

Silvio Natal 
São Paulo

"O rompimento de uma barragem da mineradora Vale, na Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho-MG, com vazamento de cerca de 12,7 milhões de metros cúbicos (m³) de rejeitos, é o mais recente exemplo de irresponsabilidade ambiental dessa empresa. Ocorrido três anos e dois meses após o megadesastre que teve palco no município de Mariana, região vizinha, em Minas Gerais, quando 50 milhões de m³ de rejeitos minerais vazaram, deixando um rastro absurdo de mortes, destruição e contaminação do solo, na maior catástrofe ambiental de que se tem notícia no país. As dimensões dos dois episódios são, felizmente, desiguais: 50 milhões de m³ de Mariana versus 12,7 milhões de m³ de Brumadinho, mas a semelhança do sinistro de agora com a tragédia de três anos atrás é evidente. A começar pelo envolvimento da Vale em ambas as calamidades num curtíssimo lapso temporal. A impressão que fica é de que por falta de punição à altura do 'feito', a Vale não aprendeu lição alguma e segue dando de ombros, flertando com o perigo. É, simplesmente, inadmissível que uma barragem de rejeitos de mineração se rompa sem, antes, ter dado eloquentes 'sinais' aos sistemas de monitoramento. E isso só acontece porque o poder público, aparentemente, tolera a negligência da empresa, 'blue chip' na bolsa brasileira, com seus ADRs (ações) na Bolsa de Nova York. Por que não fiscaliza aplicando os devidos 'corretivos', e deixa tudo ao 'deus-dará'? É num contexto assim, pleno de irresponsabilidade, empresarial e governamental, que se ouvem, agora, planos do Ministério das Minas e Energia para construção de mais oito usinas nucleares no Brasil, país em que abundam sol e ventos. E num momento em que os investimentos globais em energia limpa se multiplicam e usinas atômicas são desativadas. Não podem estar falando  sério."


BARRAGENS
Revolta a respeito
das fiscalizações

Julio Jose de Melo
Sete Lagoas – MG

"Em 2015, Mariana foi palco de mais um desastre ambiental em nosso país. Vidas ceifadas, meio ambiente danificado e as indenizações minguadas caminham a passos lentos. Agora, há um desastre maior em perdas de vidas e, pelo visto, nada mudará. Logo após o desastre de Mariana, Dilma editou medida provisória na qual caracterizava o rompimento como desastre ambiental, e não crime ambiental, favorecendo as empresas de possíveis multas. A Samarco foi multada em R$ 20 bilhões em Mariana, mas o governo perdoou, também. Logo depois, um deputado mineiro, João Vítor Xavier, tentou mudar a legislação criando cuidados maiores em relação às barragens. Voto vencido pelos deputados aliados ao governador Fernando Pimentel. Sabe-se que uma empresa alemã fiscaliza a peso de ouro e fornece laudos, tanto em Mariana quanto em Brumadinho. É sério? Os laudos são verdadeiros? De outro lado, vemos entrevistas mentirosas e recheadas de desculpas do presidente da Vale. Salário de R$ 1,5 milhão por mês, por quê? Parece que a responsabilidade dele nas desgraças é infinitamente diferenciada do astronômico salário sem razão. Cadê os responsáveis presos? Como perguntou aquele pobre pescador: 'Se pescamos uma piaba somos presos, e os graúdos?'. Obrigue os engenheiros a residirem logo abaixo das barragens e aí, quem sabe, vão enfim fiscalizar com responsabilidade. E o respeito aos pobres moradores, indefesos, sem vozes? E as outras barragens, também têm laudos alemães?"


Internet

. POLICIAL MILITAR FALA SOBRE RESGATE DE MULHER EM BRUMADINHO

“Profissionalismo e amor ao próximo. Emocionante o relato do sargento Sérgio Natalino. Esses profissionais, na maior parte das vezes, são muito criticados. Mas só eles sabem as dificuldades que enfrentam no exercício diário de suas funções. Parabéns, sargento Sérgio Natalino, e todos esses abnegados que trabalham em prol da segurança da sociedade!”
. Fernando

“Bombeiros, como sempre, agindo em prol da vida, mesmo que isso custe a própria vida. Infelizmente, o que ocorreu em Brumadinho não deu chances a quase ninguém de sobreviver e caminha para ser o maior desastre por barragens do Brasil e, de repente, no mundo. Que Deus conforte familiares e amigos.”
. Ivam Henriques


FALTAM FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO PARA AS EMPRESAS NO BRASIL

“Falta fiscalização sobre os fiscais corruptos, fiscais no Brasil só fazem usar as leis para chantagear empresários. A corrupção está no sangue do brasileiro e a legislação arcaica é a grande aliada!”
. Alisson Silva

“Quem vai fiscalizar a Copasa, que tira água desse rio contaminado? A própria população não pode confiar nos agentes fiscalizadores do governo. Essa gente ganha altos salários para não fazer nada.”
. Edson Fernandes

“Quero ver o Estado punido, pago pra ver! Um burocrata que seja, um secretário “disso e daquilo”, um juiz, um promotor, um parlamentar que seja!”
. Wendel Amorim


‘PARECIA TUDO PERDIDO’, DIZ TRABALHADOR NA CAMINHONETE ATINGIDA POR TSUNAMI DE LAMA

“Que bom. Achei que ele tivesse morrido na tragédia. Obrigada, Deus, pela vida desse moço.”
. Barbara Borges

“Inacreditável. Pensei que a caminhonete tivesse sido engolida pela lama. Sorte demais!”
. Patrick Monteiro

“Se as sirenes de alerta tivessem funcionado, muitas pessoas se salvariam.”
. Cleber Camargo Montes

 


Publicidade