Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Estímulo econômico

O novo governo vem se comprometendo, em várias oportunidades, com as reformas, como a da Previdência


postado em 25/01/2019 05:06

Duas boas novas na economia devem servir de estímulo para que a equipe econômica, comandada pelo ministro Paul Guedes, apresse as medidas indispensáveis para recolocar o Brasil em patamares de crescimento condizentes com as suas potencialidades. A criação de mais de 500 mil postos de trabalho com carteira assinada no ano passado, em comparação com 2017 - ainda que o número possa ser considerado baixo pelos pessimistas de sempre, diante de uma massa de desempregados de mais de 12 milhões de pessoas, mostra que o mercado está reagindo positivamente.

Além disso, o bom desempenho da arrecadação de impostos pelo governo federal, de R$ 1,457 trilhão, a maior desde de 2014 - a partir daí o país enfrentou dois anos de uma das piores recessões de sua história -, demonstra as possibilidades reais da retomada das atividades econômicas. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foram divulgados pelo Ministério da Fazenda e os de recolhimento de tributos e contribuições federais pela Receita Federal, que espera um desempenho melhor este ano, com o aquecimento da economia.

O novo governo vem se comprometendo, em várias oportunidades, com as reformas, como a da Previdência, ciente de que somente com a implementação delas será possível melhorar os índices tornados públicos nos últimos dias. Com isso, poderá atacar sem subterfúgios dois dos maiores problemas atuais - a taxa de desemprego elevadíssima e o gigantesco déficit público, cuja previsão para este ano gira em torno de R$ 139 bilhões. O certo é que não haverá crescimento sustentável sem o equilíbrio das contas públicas e a volta do pleno emprego, proporcionando à população condições de uma vida digna.

Desde 2013, quando foram criadas 1,138 milhão de vagas no mercado formal de trabalho, o Brasil não apresentava resultado tão satisfatório, o que provoca reflexos em toda a cadeia produtiva, pois mais consumidores estão aptos a adquirir bens produzidos pelo setor industrial. As estatísticas mostram que em 2015, início da estagnação econômica, foram fechadas 1,534 milhão de vagas formais. No ano seguinte, a perda de empregos com carteira assinada caiu um pouco, para 1,326 milhão. Em 2017, quando se iniciou a recuperação da economia, houve retração de apenas 11.964 postos de trabalho.

Os melhores desempenhos foram do setor de serviços, que gerou 398.603 empregos formais, e do comércio, que abriu 102.007 vagas com carteira assinada em 2018. Em seguida vem a construção civil, com somente 17.957 novos contratados, índice considerado bastante baixo para um país que busca taxas maiores de crescimento. Também tiveram saldo positivo a agropecuária, indústria de transformação e extrativa mineral.

Os agentes econômicos esperam que esses índices possam ser bem melhores a partir do momento em que as autoridades começarem a fazer as reformas estruturais, que têm de avançar, sem protelações, depois do equacionamento da questão previdenciária. A confiança dos investidores, tanto internos quanto externos, só será plenamente restabelecida quando o Brasil remover os históricos entraves e barreiras que inibem a expansão econômica.

 

 


Publicidade