Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Transformações digitais

O século 21 requer aprendizagem contínua e veloz, mentes abertas para mudanças, ação colaborativa e maturidade moral


postado em 01/12/2018 05:05

 

 

 

 







As transformações digitais em curso nos países, organizações e cotidiano das pessoas envolvem mudanças decorrentes de tecnologias digitais, biológicas e de materiais. Como um tsunami, provocam impactos sistêmicos, profissionais e pessoais. Inovação, aprendizagem veloz, mentes abertas e colaboração são chaves mestras.

Civilizações anteriores não conheceram facilidades e desafios do mundo contemporâneo para a comunicação a distância e interconectividade. Em ritmo exponencial e não linear, a revolução digital combina tecnologias com mudanças econômicas, sociais e individuais. Reuniões são realizadas por WhatsApp, Skype, Facetime e outras plataformas, softwares, aplicativos digitais que disponibilizam dados, imagens e voz em tempo real. A comunicação dos acontecimentos ocorre de forma simultânea, com o uso da internet, satélites e sensores integrados.

A Netflix substitui televisão para muitos. Usuários são gestores de suas escolhas de entretenimento e protagonistas de histórias nas redes sociais. Comunicações de humanos com robôs têm sido frequentes para prestação de serviços. Consultas são marcadas/avaliadas por sistemas; cirurgias realizadas a distância; livros comprados, armazenados e lidos em meio digital. Mudou o conceito de possuir com Airbnb, Uber, Facebook. Automóveis, bicicletas e imóveis são alugados apenas quando utilizados. Cidades inteligentes, agricultura autônoma, transformações nos modelos de negócios estão em construção. A moeda sem lastro em ouro circula em ambiente virtual e mais de mil criptomoedas são comercializadas em plataformas blockchain confiáveis. Empresas avançam na substituição de atividades operacionais por robôs e softwares. Profissões têm sido criadas, novas oportunidades de trabalho para profissionais qualificados.

Alguns negam as transformações como se o fato de colocar vendas sobre os olhos fará a realidade desaparecer. Outros, com otimismo cego, não avaliam os desafios éticos envolvidos. Alguns ignoram os fatos. A escolha é do indivíduo social que cria e vive essa realidade e que, historicamente, pode utilizar tecnologias para prosperidade e benefícios da sociedade. Há plasticidade do cérebro para aceitar mudanças cognitivas nas atitudes, ações e intenções.

Dados qualificados, organizados, integrados, disponibilizados em tempo real atendem a necessidades de usuários e geram informações relevantes para análises, predição e tomada de decisões. Tecnologias como computação em nuvem, inteligência artificial, big data/analytics, internet das coisas, robótica, computação quântica, drones, realidade aumentada, impressão 3D, veículos autônomos, nanotecnologia, nanoengenharia, indústria 4.0, internet 5G e outras transformam a realidade vivida a cada fração de segundo. Estudo da International Data Corporation (IDC) prevê que, em 2021, pelo menos 50% do PIB global será digitalizado.

Na educação, transformações ocorrem com o ensino a distância. Pesquisas através de palavras-chave, por autores e assuntos, por meio de voz, imagens ou de texto são realizadas com assistentes digitais pessoais, no Google, Wikipédia, YouTube, portais, sites, blogs, documentos e plataformas de publicações científicas. Metodologias educacionais combinam conteúdos com jogos digitais, realidade virtual, aplicativos, softwares, aprendizagem de máquina, realidade aumentada, robótica e plataformas inteligentes. Mas a estratégia de diferenciação consiste no desenvolvimento de competências dos estudantes, evitar conteúdos obsoletos e focar na efetiva aprendizagem experenciada. Mudanças de políticas públicas, propósitos, currículos, metodologias educacionais e espaços favorecem que estudantes aprendam conhecimentos, habilidades, atitudes necessárias para profissões atuais e que ainda não existem. Pontes para enfrentar desafios atuais e futuros devem ser construídas por governos, organizações e cidadãos. As oportunidades são múltiplas e requerem atenção e conhecimento interdisciplinar.

Segundo relatório do Fórum Econômico Mundial, de outubro de 2018, com o uso de inteligência artificial e robótica serão criados 58 milhões de novas ocupações profissionais nos próximos cinco anos, o que ultrapassa o número de funções que poderão ser extintas. Profissões emergentes relacionam-se com transformações digitais e habilidades humanas que máquinas não realizam.

O século 21 requer aprendizagem contínua e veloz, mentes abertas para mudanças, ação colaborativa e maturidade moral. Mas, também, desligar-se das telas e olhar o céu e as estrelas.



Publicidade