Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 01/12/2018 05:05

 

 

 


cartas:





ÔNIBUS
Mobilidade urbana e
seus problemas

Fábio Moreira da Silva
Belo Horizonte

"Ônibus de transporte urbano coletivo temos vários. Também são vários os pontos nos quais embarcam e desembarcam, diariamente, milhares de passageiros pelas diversas ruas e avenidas das grandes capitais país afora. O entra e sai é infindo. Se as diferenças estão nas individualidades e no destino de cada um dos passageiros, a convivência diária em um trânsito cada vez mais caótico é o ponto em comum enfrentado por todos, sejam usuários ou profissionais da área. Mas não para por aí. Conforme a reportagem do jornal Estado de Minas intitulada 'Pontos do desconforto', nas ruas de Belo Horizonte, boa parte da população que depende do transporte público espera ônibus sob sol ou chuva, em estruturas quebradas, sujas, depredadas ou muitas vezes em pontos sem qualquer proteção. Dados da BHTrans apontam que 500 novos abrigos, com mais espaço, tecnologia e conforto, já deveriam estar funcionando na cidade até 31 de agosto, e a empresa responsável havia instalado 436 até aquela data. A obrigação é chegar a 1,3 mil novos pontos em quatro anos, dentro de um serviço que começou em junho de 2016. Ora, pontos de desconforto no transporte coletivo da capital mineira temos vários, não ficando somente nas cabines de espera. A violência, há tempos, entrou também de vez nos ônibus da capital mineira. Em 1º de outubro de 2015, o assassinato de um fiscal por um passageiro assustou, e muito, os usuários do transporte coletivo de BH, sendo o ponto mais alto das ocorrências. De lá para cá, nada mudou. Os ônibus de BH e região metropolitana são alvos constantes de assaltos e furtos. E mais. As agressões sofridas pelos trabalhadores aumentam a cada dia. A violência vai desde pequenos xingamentos a agressões físicas, enquanto a mobilidade urbana pouco anda. O Move, o chamado transporte rápido por ônibus, que deu uma reestruturação no transporte coletivo de BH e região metropolitana, trouxe um pouco de melhoria no fluxo dos principais corredores da capital, mas ainda se percebem veículos coletivos com lotação acima do ideal. A população da região metropolitana da capital mineira também sofre. A ampliação do metrô estagnou e não chega à maioria das cidades. Basta lembrar que muitos sinais de violência emergem do desconforto oferecido a esses usuários. A precariedade das cabines de espera para embarque e desembarque é apenas a porta de entrada para os problemas enfrentados pelos usuários de transporte público da capital."

 

 

 

REVOLTA
Assinante critica
aumento de salários

Kleber Pereira Gonçalves
Belo Horizonte
 
"É preciso ser criado um teto para a desfaçatez. No Brasil, deveríamos mudar um trecho do pai nosso para 'nossa indignação de cada dia nos dai hoje'. A notícia da sanção do aumento para aqueles que mais recebem, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), com o efeito cascata que vai agravar ainda mais a penúria de estados e municípios. Logo depois, veio a notícia do 'auxílio-mudança'. Cada senador eleito receberá R$ 33.700 e os oito reeleitos, que não precisam se mudar, receberão em dobro, ou seja R$ 67. 400. Essa brincadeira é fruto de um decreto do famigerado Renan Calheiros, que deseja voltar à presidência do Senado e que, para nosso infortúnio, foi reeleito. Quando o brasileiro que paga impostos ficará livre dessa corja?"

AUXÍLIO-MORADIA
Valor salgado
sobra para o povo

Humberto Schuwartz Soares
Vila Velha – ES                                                   

"Num momento de crise, Temer, vulnerável, contrariando a opinião pública e imaginando ser levemente apenado, optou pelos 16,38% de reposição salarial ao Supremo Tribunal Federal (STF), que, em cascata, superará R$ 6 bilhões. Logo em seguida, o ministro Luiz Fux revogou o auxílio-moradia de R$ 4.377,73. Tomara que seja definitivo, senão a conta, cada vez mais salgada, será nossa."



internet


ACIDENTE ENTRE TRÊS VEÍCULOS DEIXA UM MORTO NA BR-381, NA GRANDE BH
“Concordo que essa estrada é uma vergonha, pois passo nela toda semana. Como não podemos depender do governo para nada, o mínimo que podemos fazer é dirigir com prudência. Essa colisão frontal é culpa exclusiva do motorista. Aliás, o que tem de motorista imprudente nesse trecho não é brincadeira.”
. Frederico Bicalho

“Eu evito pegar esse trecho da BR-381 nem é tanto pela estrada simples e cheia de curvas, Mas é pelo medo dos outros motoristas.O que tem de maluco correndo demais nela, fazendo ultrapassagem como a do acidente acima, caminhão descendo desengrenado pra economizar óleo...... Os caras arriscam a vida e, pior, arriscam te levar junto, mesmo você andando certinho.”
. Rafael Pessoa

 

IMPLANTAÇÃO DAS PLACAS DO MERCOSUL EM MINAS GERAIS É ADIADA
“Mas os veículos hoje já têm o nome dos estados, dá para saber de onde a pessoa é. Se colocar bandeirinha colorida, o custo de logística e produção aumenta bastante, principalmente em se tratando de quando começar a descolorir e o motorista não puder pintar com uma tinta preta como fazem hoje em dia. O cara teria que comprar outra placa e ia sair, no mínimo, 120 ‘contos’ nessa vaidade.”
. Gustavo Silva

Facebook

COLÉGIO SANTO AGOSTINHO RECEBE ABRAÇO CONTRA PROCESSO
“Eu suponho que os alunos insatisfeitos já tenham procurado outra escola. Deve estar um ar irrespirável lá dentro. Que a situação se reverta em benefício dessa magnífica escola.”
. Simone Paim

“Escola deveria ensinar matemática e outras matérias... Os pais estão certíssimos. O país agora vai ter presidente... a era do bêbado bandido acabou, meus amigos.... Viva o Brasil! Viva os valores tradicionais!”
. Léo Pardini

“O trabalho realizado é sério, quem acompanha sabe; crianças e adolescentes bem-informados não são tão vulneráveis a parentes, amigos, religiosos, que estejam interessados em abusar sexualmente deles. Desinformação, medo e preconceito são bons para quem comete crimes e quer se manter impune.”
. Sérgio Leite

 

 


Publicidade