Publicidade

Estado de Minas

'A matéria-prima do jornalista é o ser humano', diz Arnaldo Viana

No Estado de Minas, ele foi repórter, editor, colunista e cronista. Trabalhou no jornal por 37 anos


postado em 13/07/2018 09:00 / atualizado em 12/07/2018 15:38


O menino que saiu de Santa Maria do Salto com 13 anos e veio para Belo Horizonte sem saber o que esperar não supunha que o interesse por gibis e cinema seria fundamental para inspirar uma grande carreira no jornalismo. Neste episódio dO Megafone, a história de Arnaldo Viana, contada por quem sabe fazer isso melhor que ninguém: ele mesmo.

"Você chegava ao local do crime, tinha um cadáver e mais nada. Tinha que saber quem era o cadáver, de onde veio, onde morava, como vivia, o que fazia. Você tinha que construir a história. Elaborar todo aquele cenário para o leitor", conta. 
(foto: Lucas Negrisoli/Esp. EM/D.A Press)
(foto: Lucas Negrisoli/Esp. EM/D.A Press)

Deste começo na editoria de Polícia, até as crônicas sobre o caso Bruno, quando atuava como cronista no Estado de Minas, Arnaldo compartilha um raro conhecimento acumulado sobre a artesania do texto jornalístico.

Este episodio dO Megafone teve pesquisa histórica de Irene Campos, produção de Lucas Negrisoli e Getúlio Fernandes, e leitura de textos de Benny Cohen e Larissa Kumpel. 




Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade