UAI
Publicidade

Estado de Minas LEVANTAMENTO

COVID-19: mais de 80% dos internados este ano não tomaram vacina

Nessa terça-feira (26/20), a capital federal chegou a 51,49% da população total vacinada com duas doses


27/10/2021 11:04

Leitos de UTI vazios
No total, 24.373 pessoas foram internadas com o novo coronavírus entre janeiro e outubro (foto: Breno Esaki/SES-DF)

No DF , a maioria dos internados com quadro de infecção por COVID-19 são pessoas que não se vacinaram contra a doença. Os dados são da Secretaria de Saúde local e foram obtidos pelo Correio por meio da Lei de Acesso à Informação. De janeiro a 18 de outubro de 2021, foram 24.373 pessoas internadas devido ao novo coronavírus nas redes pública e privada do DF. Destas, 80,24% não tinham informação de terem iniciado o ciclo vacinal. Nessa terça-feira (26/20), a capital federal chegou a 51,49% da população total vacinada com duas doses. 
Os dados mostram que as vacinas são eficazes em diminuir as chances de se desenvolver casos graves da COVID-19. É o que afirma o infectologista e membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Julival Ribeiro. "É inegável. As vacinas são eficazes e seguras, e a chance de se obter a forma grave da doença, precisar de internação e ir à óbito são muito menores do que quando não se tinha imunizantes", afirma. Apesar de comemorar o efeito das vacinas, ele atenta para o prazo de imunização e uso de medidas preventivas não farmacológicas. "Quando se completa o ciclo vacinal, são 14 dias até se obter a imunização. A proteção passa pelo uso de máscaras, distanciamento e vacinação", ressalta.

Avaliando os números, o médico lamenta que ainda existam pessoas que se recusem a iniciar a imunização contra a doença. "São pessoas que podem cair em mentiras e se prejudicam por isso. Elas podem desenvolver COVID grave e, se não morrerem, têm mais chances de desenvolverem complicações como: problema respiratório, diabetes, problemas psiquiátricos e pulmonares, entre outros", declara. Julival, que completa a análise com um alerta. "Aqueles que já podem tomar o reforço, conhecido como terceira dose, tomem. É uma forma de estimular o sistema imunológico e garantir que a resposta à doença aumente", diz.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade