Publicidade

Estado de Minas DENÚNCIA

Mestres de capoeira são investigados por abuso sexual de alunos

Segundo denúncia da Agência Pública, lideranças do Cordão de Ouro teriam se aproveitado da vulnerabilidade de alunos para praticar violência sexual


01/06/2021 19:34 - atualizado 01/06/2021 21:07

Fundador do grupo, Reinaldo Ramos Suassuna, mais conhecido como mestre Suassuna, estaria entre os acusados(foto: Reprodução de Internet)
Fundador do grupo, Reinaldo Ramos Suassuna, mais conhecido como mestre Suassuna, estaria entre os acusados (foto: Reprodução de Internet)

Um dos maiores grupos de capoeira do Brasil, o Cordão de Ouro está na mira da Justiça. Desde o ano passado, o Ministério Público do Estado do Ceará investiga mestres e lideranças por abuso sexual de crianças e adolescentes de 11 a 18 anos. A informação foi revelada com exclusividade pela Agência Pública.

Pelo menos 15 pessoas teriam apresentado denúncias de crimes em Fortaleza, São Paulo e Taubaté.

 
De acordo com a reportagem, mestres teriam se aproveitado da vulnerabilidade, da admiração e da confiança de seus alunos para praticar violência sexual.

Alguns casos teriam sido acobertados pela direção do grupo, informa a matéria. Caso não cumprissem as exigências dos chefes, os alunos corriam o risco de serem expulsos do Cordão de Ouro.

O fundador do grupo, Reinaldo Ramos Suassuna, mais conhecido como mestre Suassuna, estaria entre os acusados. Além dele, outros mestres são investigados pelo MP com base em relato de testemunhas. Espirro Mirim e Paiakan estariam entre os suspeitos. 

A reportagem mostra também que crianças e adolescentes foram exploradas por mestres do Cordão de Ouro com a promessa de viagens para outros estados ou até mesmo para o exterior.

A primeira denúncia foi feita em 2019, pela mulher de um ex-mestre do Cordão de Ouro. Ela denunciou à Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa do Ceará dois outros líderes que teriam assediado suas filhas, ainda crianças, em ocasiões diferentes. Um deles era do Cordão de Ouro.

Segundo a mulher, sua filha mais velha flagrou um mestre – que não pertence ao grupo – tentando estuprar a irmã mais nova, na época com 5 anos.

Ele foi processado pela família, que aguarda audiência

“Ela viu a irmã dela parada na frente do quarto desse cara e ele pegando no braço dela e dizendo a seguinte frase: ‘Vamos brincar? Uma brincadeira de menino e menina, você vai gostar, eu vou fazer um furinho em você’. E a minha filha já ouvindo aquilo e tremendo”, disse a mãe da vítima à Agência Pública. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade