Publicidade

Estado de Minas EVENTO RARO

Eclipse total e superlua no mesmo dia; evento ocorre a cada quatro anos

Físicos explicam que é raro a junção dos dois em datas próximas; de algumas regiões do Brasil foi possível ver apenas o eclipse parcial


26/05/2021 11:41 - atualizado 26/05/2021 12:17

Eclipse total da super lua visto de outros países (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )
Eclipse total da super lua visto de outros países (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )
Na madrugada de terça (25/5) para quarta-feira (26/5), ocorreu um dos raros fenômenos espaciais. Foi registrado um eclipse lunar, em cojunto com a superlua. De acordo com o Departamento de Física da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), esta junção ocorre a cada quatro anos.

Segundo o professor de Física da UFMG, Renato Las Casas, o eclipse lunar da madrugada desta quarta foi total, mas não foi possível ser visto da maior parte do Brasil. Quem acordou muito cedo conseguiu ver apenas a fase penumbral da lua, que ocorre antes de ela passar pelo clone de sombra (quando a lua projeta dois lados de sombra ao invés de ter um lado iluminado), que provoca o eclipse. Já os moradores do Acre e do Amazonas, conseguiram ver o eclipse apenas de forma parcial

"Já a superlua é causada quando a lua passa pelo ponto perigeu, que é o ponto da órbita mais próximo da Terra. E quando ocorre a coincidência da lua cheia estar próxima a este ponto, temos então uma super lua", explica o professor.
(foto: Carlos Altman/EM/D.A Press)
(foto: Carlos Altman/EM/D.A Press)

O encontro desta super lua com o mesmo momento do eclipse total é um evento raro de acontecer. Ele pode ocorrer de quatro em quatro ou cinco em cinco anos. Renato Las Casas diz que, pelas previsões, o próximo eclipse lunar total ocorrerá em 18 de novembro deste ano, e poderá ser visto por completo aqui de Minas Gerais. Já o eclipse total com a super lua está previsto para acontecer em 18 de setembro de 2024, daqui a três anos. E a próxima superlua está marcada para o próximo ano, em 14 de junho de 2022.

O professor explica que as condições climáticas podem estar associadas a estes fenômenos, quando, por exemplo, o céu está com muitas nuvens e ou está caindo geadas. Estes fatores podem dificultar a visão do eclipse e da superlua.

*Estagiária sob supervisão do subeditor Daniel Seabra


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade